Tratamento das Patologias da ATM: primeira e segunda fase (ortodontia tridimensional) em uma paciente hiperlassa com hipossinal na medular da cabeça da mandíbula. Caso clínico.

1 Paciente feminina de 22 anos de idade se apresenta na consulta com forte dor de cabeça principalmente na parte superior, dor em ambos temporais, dor na nuca e nos ombros. Dificuldade na mastigação de alimentos duros, crepitações em ambas as articulações temporomandibulares. Relata bruxismo desde a infância.

Depoimento da paciente: Desde pequena meus pais relatavam que eu tinha bruxismo à noite 1B Paciente hiperlasso. Pacientes com hiperlassidão ligamentar apresentam maior risco de desenvolver patologia articular. 2 DENTES Oclusão habitual da paciente antes do tratamento3 OCLUSAL  Vista oclusal superior e inferior da paciente antes do tratamento. Desgaste do setor anterior superior e inferior.3b dinamico habitual Exame eletromiográfico dinâmico habitual. Solicita-se ao paciente que abra a boca, feche a boca, morda forte e degluta. No registro desta paciente podemos observar pouca atividade registrada dos masseteres e dos temporais anteriores.

Observamos também assimetria entre os músculos temporais direito e o esquerdo. É evidente a perda de atividade dos masseteres no meio da oclusão máxima. 4  PANORAMICA Radiografia panorâmica inicial da paciente antes do tratamento.5LAMINOGRAFIA INICIAL Laminogafia inicial em oclusão habitual. Posicionamento superior e posterior do processo articular do lado direito na cavidade articular provocando uma compressão retrodiscal. Observa-se assimetria entre as cabeças mandibulares direita e esquerda. Modificação do eixo de crescimento do côndilo do lado direito.

Depoimento da paciente:

Aos 5 anos de idade enquanto brincava no intervalo da aula da pré escola tive um trauma.  Uma gangorra bateu no meu queixo quando brincava com outra menina. Colocaram gelo no queixo para diminuir o inchaço. Não houve muita dor nem fratura aparente. Não realizei exames médicos.

Aos 13 anos me lembro de outro traumatismo, escorreguei numa calçada e cai batendo o queixo no chão, FRATUREI OS INCISIVOS SUPERIORES ( eles tem resina). 

Às vezes acordo sentindo que estou mordendo com movimentos cruzando a mandíbula. Se não uso a placa de bruxismo para dormir quebro a resina dos dentes. A placa de bruxismo protege a resina MAS NÃO ME ALIVIA A DOR.

O site da clínica www.clinicamy.com.br conta com os links para ambos os artigos.

Alterações na Orientação do Côndilo Mandibular Devido a Traumatismos na Primeira Infância. Caso clínico apresentado na edição número 4 do Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, de outubro/dezembro de 2001.

Structural modifications of the mandibular condylar process as one of the sequels of traumatism in infancy Artigo publicado no Journal of Cranio-Maxillary Diseases, volume 3, issue 2,  julho/dezembro de 2014. 6 RNM INICIAL RNM: Corte externo da ATM esquerda com a boca fechada 7 RNM INICIAL RNM: corte da ATM esquerda com a boca fechada LEVE IRREGULARIDADE DA CORTICAL ÓSSEA  DO CÔNDILO MANDIBULAR. 8 RNM INICIAL RNM: corte mais interno da ATM esquerda com a boca fechada HIPOSSINAL DA MEDULAR DA CABEÇA DA MANDÍBULA. A paciente apresentava um histórico de amigdalite e otite à repetição. Foi solicitado um exame de ASLO. O exame apresentou valores altos, motivo pelo qual foi medicada.

Quando analisamos uma ressonância nuclear magnética temos que ter em conta muitas informações fora da posição do disco. 9 RNM INICIAL RNM: corte interno da ATM direita com a boca fechada 10 RNM INICIAL RNM  da ATM direita com a boca fechada. Faceta superior da ATM, leve deslocamento anterior do disco articular e retroposição da cabeça mandibular. 11 rad. lateralRadiografia lateral e perfil da paciente. 12 cervical A radiografia lateral incluindo a coluna cervical mostra a retificação da coluna cervical (perda da lordose fisiológica). Se observa um inicio de inversão da curvatura a nível de C 4. 13 Registro jaw tracker-3 Os músculos mastigatórios da paciente foram desprogramados eletronicamente e foi registrada uma mordida em posição de repouso neurofisiológico utilizando um magnetógrafo. Lembrar que para o registro da mordida sempre deve ser tomado em conta as informações obtidas nas imagens e os objetivos individualizados para cada caso clinico.

A paciente apresenta um espaço livre patológico de 6 mm e uma retroposição de 2,8 mm. Nas outras publicações se faz menção dos métodos cinesiográficos utilizados.

O site da clínica www.clinicamy.com.br conta com o link para o artigo: Princípios Neuromusculares na Odontologia, Trajetória de Fechamento Habitual Coincidente com a Trajetória de Fechamento Neuromuscular  publicado na edição número 6 do Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, em 2002. 14 dinamico com dio Registro eletromiográfico da paciente com o DIO (dispositivo intraoral construído em posição neurofisiológica). Nota-se a excelente atividade com o dispositivo. 15 registro eletromiografico comparativo Comparação dos registros eletromiográficos da paciente: o primeiro em oclusão habitual e o segundo com o dispositivo intraoral em posição neurofisiológica. Os masseteres apresentam excelente atividade com o dispositivo, ainda mais comparando o registro inicial onde era evidente a perda de atividade dos masseteres no meio da oclusão máxima.

Alguns cortes comparativos da RNM antes do tratamento e após a PRIMEIRA FASE do tratamento.

Temos que ter claro quais foram os objetivos traçados para uma paciente hiperlassa, com sequela de traumatismo na primeira infância e com hipossinal na medular da cabeça mandibular.

Objetivos traçados para esta paciente:

  • Melhor localização tridimensional do côndilo mandibular.
  • Ter uma trajetória de fechamento dentaria coincidente com o fechamento muscular.
  • Descompressão de ambas articulações.

Imagem 1 : melhora da cortical no polo superior do côndilo esquerdo neste corte externo.

Imagem 2 : melhora da cortical no polo superior do côndilo esquerdo, melhora do sinal da medular e uma remodelação positiva na borda posterior da cabeça mandibular.

Imagem 3 : melhora do sinal da medular e uma remodelação positiva na borda posterior da cabeça mandibular.

Imagem 4 : remodelação positiva na borda posterior da cabeça mandibular.  da cabeça mandibular. 16 A panoramica INICIO 2 FASE Iniciamos a montagem do aparelho ortodôntico superior e inferior para uma ortodontia tridimensional.

Uma ortodontia tridimensional precisa manter a  posição tridimensional da mandíbula em equilíbrio com os seus planos ósseos e musculares conseguidos na PRIMEIRA FASE, e sempre e quando possível manterá a articulação temporomandibular em harmônica relação com a fossa mandibular assim como o disco articular em correta posição. 16B  LATERAL INICIO 2 FASE Radiografia lateral e da coluna cervical da paciente no inicio da 2 FASE. 17 comparativas coluna 1  Radiografia lateral e da coluna cervical comparativas da paciente: antes da PRIMEIRA FASE e no inicio da SEGUNDA FASE. Nota-se a melhora da curvatura cervical. Não ocorreu uma recuperação da lordose fisiológica mais SIM uma leve melhora na inversão da curvatura, mostrada na radiografia inicial. 18 orto 1 Sequencia da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico. LEMBRAR QUE NEM TODO CASO VAI PERMITIR A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA SEGUNDA FASE.19 orto 2 20 orto 3 Erupção ativa na ortodontia tridimensional.21 orto 4 Erupção ativa na ortodontia tridimensional.22 orto 5 Continuação da ortodontia tridimensional com sequencia dos dispositivos intraorais.23 orto 6  Instalação de novo DIO ( dispositivo intraoral) para a continuação da ortodontia tridimensional.25 orto 8 26 orto 9 27 orto 10 27B paciente retirando el dispositivo Retirada do DIO (dispositivo intraoral).28 orto 11 Imagem sem o dispositivo intraoral.29 finaliz trat orto Finalização do tratamento na ortodontia tridimensional em oclusão neurofisiológica.30 comparação oclusao inical e final  Imagem da oclusão da paciente após a finalização do tratamento e a comparação com a imagem da oclusão inicial.31 ELETRO FINAL Comparação dos registros eletromiográficos da paciente: o primeiro em oclusão habitual e o segundo APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL. Os masseteres apresentam excelente atividade comparando com o registro inicial onde era evidente a perda de atividade dos masseteres no meio da oclusão máxima. É importante salientar que os masseteres apresentam maior potencia que os temporais anteriores, o que é desejável. 32 final CERVICO COMPARATIVAS Radiografia lateral e da coluna cervical comparativas da paciente antes da PRIMEIRA FASE e na finalização da ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL. 

MELHORA DA LORDOSE CERVICAL.33 lamino comparativas Laminografias comparativas da paciente: laminografia inicial em oclusão habitual onde pode se observar a retroposição das cabeças da mandíbula e laminografia na finalização da ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL em posição neurofisiológica.34 PANO FINAL (1) Radiografia panorâmica de controle após a finalização da ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL 35 RNM FINAL ATM esquerda com boca fechada antes do tratamento e ATM esquerda com boca fechada 4 ANOS APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL 36 RNM FINAL ATM esquerda com boca fechada antes do tratamento e ATM esquerda com boca fechada 4 ANOS APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL.37 RNM FINAL ATM esquerda com boca fechada antes do tratamento e ATM esquerda com boca fechada 4 ANOS APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL 38 RNM FINAL ATM direita com boca fechada antes do tratamento e ATM direita com boca fechada 4 ANOS APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL 39 RNM FINAL ATM direita com boca fechada antes do tratamento e ATM direita com boca fechada 4 ANOS APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL 40 RNM FINAL ATM direita com boca fechada antes do tratamento e ATM direita com boca fechada 4 ANOS APÓS A FINALIZAÇÃO DA ORTODONTIA TRIDIMENSIONAL   DEPOIMENTO

Comecei a sentir melhora das contraturas na região cervical logo que comecei o tratamento.

Com o tempo, cansava menos na mastigação, antes mascar um chiclete deixava meus masseteres exaustos!

No final do tratamento minha postura estava melhor e houve inclusive melhora radiológica da minha ATM.

Hoje, anos depois de terminado o tratamento para o problema da ATM e a segunda fase para retirar o dispositivo, me surpreendi que os testes e imagens de controle estivessem muito bons!

 Tratamento das Patologias da ATM: primeira e segunda fase (ortodontia tridimensional) em uma paciente hiperlassa com hipossinal na medular da cabeça da mandíbula. Caso clínico.FINAL

9 respostas em “Tratamento das Patologias da ATM: primeira e segunda fase (ortodontia tridimensional) em uma paciente hiperlassa com hipossinal na medular da cabeça da mandíbula. Caso clínico.

  1. Dr Lidia quando a pessoa tem barulho de areia e como papel estivesse amassando pode ter a certeza que a pessoa tem doença auto imune na ATM ou existe outras causas que pode da esse barulho?

    Curtir

    • Dani barulho de areia, pode ser uma crepitação que pode ser um desgaste , não todo desgaste ´vem de uma doença autoimune. Para diagnosticar uma doença autoimune é fundamental fora da clínica, as imagens e exames laboratoriais.

      Curtir

  2. De Lidia minha sobrinha tem disfunção da ATM e hiperlessa gostaria de saber se a pessoa hiperlessa o andamento de recuperação tende ser mais lento , fizemos ressonância dela não a deslocamento de disco e relata ouvir estado atm direita esse estalo pode ser devido a ser hiperlessa .. Em breve teremos um encontro estou querendo marcar consulta com dr . atenciosamente , Luiza Maria

    Curtir

    • Cara Luiza Maria, novamente DTM ou disfunção fala que tem um problema no qual a ATM não esta funcionando corretamente, mas só DTM não fala do diagnóstico específico. Pacientes hiperlassos tem ligamentos que permitem que qualquer articulação do corpo possa se movimentar além dos movimentos funcionais, muitos atletas é dançarinos são hiperlassos.
      A respeito da RNM ela da mais informação que simplesmente se um disco está deslocado ou não. Se existe um estalo algum problema no conjunto do disco e da cabeça da mandíbula tem. Cada caso é um caso existem pacientes hiperlassos com um caso clínico menos complicado que outros pacientes não hiperlassos, por isso precisa ter um diagnóstico e saber exatamente qual é o problema.
      Atte
      Lidia Yavich

      Curtir

  3. Pingback: Página de estudos e investigação da ATM. Um ano de publicações. | Pagina de estudos e investigação da ATM

    • Cara Luiza, cada lesão deixa diferentes sequelas, então DEPENDENDO A LESÃO a ATM pode ser sadia.
      100 por cento ? será que algum ser humano é 100 por cento sadio em todos os seus sistemas.
      É difícil responder isso, mas é mais lógico responder que dependendo a lesão essa ATM vai poder funcionar em uma forma fisiológica dentro de todos os sistemas. De todo jeito somos seres humanos uma pessoa pode ter uma lesão, curar, e posteriormente ter outro problema, que afete o mesmo orgão e não tenha nada a ver com a lesão anterior.
      Espero ter sido clara.
      Atte
      Lidia Yavich

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s