Página de estudos e investigação da ATM. Três anos de publicações.

Caros amigos,

Em dezembro de 2014 iniciei as publicações da Página de Estudos e Investigação da ATM. No inicio, todo o seu conteúdo foi oferecido português, inglês e espanhol. Porém, em março do ano seguinte, ao analisar as estatísticas de acesso das postagens, decidi manter somente a divulgação nos idiomas português e inglês.

De todo modo, o acesso aos conteúdos da página segue disponível aos demais pesquisadores, profissionais da área e aos interessados na investigação que desenvolvo.

3 ANOS DE PUBLICAÇÕES

Nos dias de hoje, a medicina baseada em evidência está estratificada hierarquicamente de cima para baixo onde na base da pirâmide encontramos os casos clínicos, os quais raramente são vistos como evidência.

A Página de Estudos e Investigação da ATM tem em sua concepção, o propósito da publicação de casos e conceitos clínicos, cuidadosamente publicados com as respectivas documentações dos pacientes com queixas de dor, disfunção e patologia da ATM, tratados na Clínica MY.

A página oferece acesso ao conteúdo ao longo de imagens, eletromiografias de superfície, cinesiografia computadorizada antes e após o  processo terapêutico. Foram incluídos casos de ortodontia tridimensional e reabilitação fisiológica neuromuscular da segunda fase do tratamento, após o tratamento da ATM.

FINAL

Página de Estudos e Investigação da ATM fez no mês de dezembro três anos de vida, lembrei-me de festejar no primeiro aniversário da Pagina.

No meio do trabalho com os pacientes, ensino e publicações não me lembrei de celebrar o segundo ano.

Quero celebrar estes três anos com vocês.

Temos com este projeto um lugar na internet que mostra a linha de trabalho conhecida como odontologia neuromuscular fisiológica, que atua sobre a postura e o funcionamento mandibular e considera todo o sistema corporal.

Para isso a odontologia neuromuscular fisiológica procura estabelecer, no paciente uma posição baseada na relação harmoniosa entre os músculos, dentes e articulações temporomandibulares.

MARCUS LAZARI frontal E SAGITAL

Na publicação deste final de ano escolhi as imagens mais significativas de todos estes anos de publicações, com links diretos para cada uma das publicações originais.

No final desta publicação coloquei os links das publicações do primeiro ano desta pagina.

3 ANOS DE PUBLICAÇÕES 2

Página de Estudos e Investigação da ATM tem crescido muito e continua recebendo visitantes de todo o mundo.

Muito obrigada!

Lidia Yavich

Patologia da Articulação Temporomandibular em um Paciente com Fusão Congênita de duas Vértebras Cervicais. Primeira e segunda fase. Caso clínico.

33 FINAL

Melhora Postural em Paciente após Tratamento de Reposicionamento Neuromuscular Fisiológico da Mandíbula. Paciente com Histórico de Cirurgia de Escoliose e Sintomatologia Craniomandibular.

24

Tratamento das Patologias da ATM: Paciente com Fortes Dores de Cabeça e das Articulações Temporomandibulares apresentando Importante Irregularidade de contorno no Côndilo Mandibular e Limitação de Abertura Bucal. Caso clínico.

27 CEF COMPARATIVAS

Reversão da Alteração da Medular Óssea em um caso de Necrose Avascular da cabeça mandibular. Acompanhamento de dois anos após o tratamento.

FRONTAL COMPARATIVAS ESQUERDA 2016.jpg

Tratamento Neuromuscular Fisiológico em Paciente com Cefaleia Diária e Dor nas Articulações Temporomandibulares. Caso Clínico sem Possibilidade de Recaptura Discal: primeira e segunda fase.

10 abre e fecha inicial

Criança com Otalgia (dor de ouvido) e Perda Auditiva Condutiva: quando medir faz a diferença. Normalização dos limiares auditivos. Primeira e segunda fase. Caso clínico.

FINALE FINALE

Tratamento das Patologias da ATM: Paciente com Dor na Região da Nuca, Zumbidos Bilaterais e Fraturas Recorrentes de Dentes e Próteses. Primeira e segunda fase. Caso clínico.

ITACIR COMBINADA

Tratamento das Patologias da ATM: Paciente com cefaleia durante 30 anos. Reabilitação Neuromuscular Fisiológica. Primeira e segunda fase . Caso clínico.

1 FOTOS FRENTE

Patologia da ATM em Músicos Profissionais: Um olhar além dos fatores de risco. Reabilitação Neuromuscular Fisiológica. Primeira e Segunda fase. Caso clínico.

HELLA

Página de estudos e investigação da ATM. Um ano de publicações.

INICIAL.jpg

2

Página de Estudos e Investigação da ATM tem crescido muito e continua recebendo visitantes de todo o mundo.

Muito obrigada!

Lidia Yavich

Patologia da ATM em Músicos Profissionais: Um olhar além dos fatores de risco. Reabilitação Neuromuscular Fisiológica. Primeira e Segunda fase. Caso clínico.

Vários artigos e estudos citam a prevalência de disfunção da ATM em violinistas e violistas especialmente pela flexão prolongada da cabeça e o ombro, postura necessária para manter o violino em posição.  Estudos também referem que a incidência de disfunção de ATM em músicos é similar a população geral.

Músicos profissionais requerem muitas horas de treino e aperfeiçoamento que implicam em movimentos complicados, ações rápidas e repetitivas com sobre uso das mãos, dedos, braços e cabeça.

A maioria dos artigos relatam a ansiedade do desempenho profissional e aumento da tensão muscular, mas poucos fazem um estudo em particular do estado das estruturas anatómicas dos casos estudados.

1 postura inicial frontalPaciente de sexo feminino com 45 anos de idade foi encaminhada para a clínica pela sua fisioterapeuta com queixas de dor de cabeça, dor na região cervical e escapular e contraturas musculares na mandíbula.

A paciente também refere deslocamento mandibular ao tocar o violino e dor em ambas as articulações temporomandibulares.

2 postura inicial lateralA paciente também refere estalos em ambas as articulações temporomandibulares, e ocasionalmente sensação de ouvidos entupidos.

Dores frequentes na coluna e em ambos os ombros.

Na época a paciente já tinha consultado fisioterapeutas, reumatologista, psiquiatra e psicólogo.

2pontos de dor.jpgGráfico de marcação dos pontos de dor.

3 OCLUSÃO INICIALImagem da oclusão habitual da paciente no dia da consulta.

4 OCLUSAIS INICIAISVista oclusal superior e inferior da paciente no dia da consulta.

5  PANORAMICA 1.jpgRadiografia panorâmica inicial da paciente antes do tratamento.

Dentes 18, 28 inclusos.

Desgaste nas faces incisais e oclusais dos dentes presentes.

Aparato protético de 25 a 27 ( 26 pôntico)

Reabsorção horizontal das cristas alveolares.

6 LAMINOGRAFIA INICIAL

Planigrafia da ATM em oclusão habitual antes do tratamento

Na posição de abertura máxima, observasse angulação anterior dos processos articulares, sequela de traumatismo na primeira infância.

A paciente relata um traumatismo na primeira infância, uma batida na cabeça quando brincava em um escorregador.

7 TELEPERFILRadiografia lateral e perfil da paciente antes do tratamento. Paciente em oclusão habitual.

8 FRONTALRadiografia frontal da paciente em oclusão habitual antes do tratamento.

9 C7Radiografia lateral e da coluna cervical da paciente em oclusão habitual antes do tratamento.

Nesta época a paciente realizou uma tomografia computadorizada da coluna cervical

Laudo da TC da coluna cervical:

Retificação da lordose cervical.

Discopatia degenerativa em C5-C6 observando-se redução da altura do espaço discal e proliferações osteofitárias reacionais. Nesse nível identifica-se barra disco-osteofitária que toca e deforma a face ventral do saco dural.

Não há estenose do canal vertebral central.

Forames neurais com amplitude dentro dos limites da normalidade.

Sinais leves de artrose uncovertebral C5 e C6.

Relação C1-C2 mantida.

Regiões paravertebrais simétricas.

10 eletromiog dinamica inicialRegistro eletromiográfico dinâmico em oclusão habitual da paciente antes do tratamento. Notasse a mínima ativação dos músculos masseteres direito e esquerdo na máxima intercuspidação e a alta ativação dos músculos temporais direito e esquerdo.

Os músculos masseteres são os músculos mais potentes do sistema estomatognático, os músculos temporais mesmo sendo músculos elevadores tem que ter uma ativação igual e preferencialmente menor que os músculos masseteres.

11 cineciog 1Registro cineciográfico inicial da paciente.

Vista tridimensional do movimento mandibular.

O registro mostra abertura e fechamento e velocidade ao fazer estes movimentos. A paciente mostra uma abertura de 47 mm e uma deflexão para direita de 3,9 mm

Notasse uma importante perda de velocidade no na metade do fechamento mandibular.

13 ress esq fech

RNM: corte sagital da ATM esquerda em boca fechada, pode-se observar a anteversão do côndilo mandibular.

14 ress esq fech

RNM: outro corte sagital da ATM esquerda em boca fechada, pode-se observar a anteversão do côndilo mandibular.

Importante zona de compressão retrodiscal no nível da deflexão do côndilo mandibular. Objetivo primordial tem que ser a descompressão tridimensional do côndilo mandibular.

15 ress esq fech

RNM: outro corte sagital da ATM esquerda em boca fechada, pode-se observar a anteversão do côndilo mandibular.

Importante zona de compressão retrodiscal no nível da deflexão do côndilo mandibular. Objetivo primordial tem que ser a descompressão tridimensional do côndilo mandibular.

16 ress esq fech

RNM: corte sagital interno da ATM esquerda em boca fechada.

17ress dir fech

RNM: corte sagital interno da ATM direita em boca fechada.

19 ress dir fech

RNM: outro corte sagital da ATM direita em boca fechada, pode-se observar a anteversão do côndilo mandibular.

O disco articular encontra-se deslocado anteriormente, com redução nas manobras de boca aberta. (imagens em boca aberta não incluídas no post)

Importante zona de compressão retrodiscal no nível da deflexão do côndilo mandibular. Objetivo primordial tem que ser a descompressão tridimensional do côndilo mandibular.

20 ress dir fechRNM: outro corte sagital mais externo da ATM direita em boca fechada.

O disco articular encontra-se deslocando anteriormente, com redução nas manobras de boca aberta. (imagens em boca aberta não incluídas no post)

Nota-se a compressão posterior neste corte.

21 FRONT DIR E ESQRNM: cortes frontais das articulações temporomandibulares direita e esquerda, boca fechada em oclusão habitual antes do tratamento.

O corte frontal da articulação temporomandibular direita evidencia uma perda de espaço articular, especialmente na região do polo lateral externo da articulação. Ambas imagens frontais mostram diminuição do espaço articular.

Leve desvio discal medial.

21A registro inicial para o DIOPara avaliar corretamente a relação maxilo-mandibular devemos começar a considerar a posição fisiológica de repouso mandibular.

Repouso fisiológico é um conceito aplicável para todos os músculos do corpo.

A musculatura estomatognática não é exceção.

Os músculos mastigatórios da paciente foram desprogramados eletronicamente e uma nova posição neurofisiológica de repouso foi registrada.

A paciente apresenta um espaço livre patológico de 5, 8 mm, já descontado os dois mm fisiológicos de um espaço livre sadio.

A paciente também apresenta uma retroposição de 2,1 mm

22 oclussao com o DIOCom esses dados construímos um DIO (dispositivo intraoral), para manter tridimensionalmente a posição registrada. Este dispositivo deve ser testado eletromiograficamente para mensurar objetivamente o paciente.

É lógico que o relato da sintomatologia do paciente é importante, mas a eletromiografia de superfície mostra de forma objetiva se a função muscular melhorou, piorou ou não modificou.

22A eletromiografia com o DIORegistro eletromiográfico com o DIO (dispositivo intraoral) em posição neuromuscular fisiológica.

Notasse o maior recrutamento de unidades motoras nos músculos masseteres que anteriormente mostravam pouquíssima atividade.

22A Registro cinesiográfico para controlar o DIO em posição neurofisiológicaRegistro cineciográfico para controle do DIO ( dispositivo intraoral) em posição neuromuscular fisiológica à medida que o dispositivo é trocado ou recalibrado.

Na primeira fase os dispositivos intraorais, são recalibrados e ou trocados de acordo a cada caso específico à medida que a mandíbula, músculos e ATM melhorem.

Cada caso É ÚNICO. Existem casos onde as estruturas da ATM estão tão danificadas que os objetivos traçados terão limitações ditadas pelo diagnóstico inicial.

Estas limitações não se referem unicamente as estruturas da articulação temporomandibular, mas também a condição sistêmica da paciente.

22B 2 Registro cinesiográfico para controlar o DIO em posição neurofisiológicaOutro registro cineciográfico para controle do DIO ( dispositivo intraoral) em posição neuromuscular fisiológica à medida que o dispositivo é trocado ou recalibrado.

23 laminografias comparativas com dioComparação das planigrafias das articulações temporomandibulares, direita e esquerda, em boca fechada e aberta: em oclusão habitual antes do tratamento e com o DIO (dispositivo intraoral), em posição neuromuscular fisiológica.

24 ct comparativas com dioComparação das radiografias laterais e da coluna cervical da paciente: em oclusão habitual antes do tratamento e com o DIO (dispositivo intraoral), em posição neuromuscular fisiológica.

Com a mandíbula em posição neuromuscular fisiológica a colega fisioterapeuta trabalhou o resto das cadeias musculares, utilizando técnicas manuais globais, tendo sempre em conta a individualidade da paciente. Este trabalho em um paciente com discopatias degenerativas deve ser mantido.

25 rad lateral e perfilComparação das radiografias laterais do paciente: em oclusão habitual antes do tratamento e com o DIO (dispositivo intraoral), em posição neuromuscular fisiológica.

Melhora do perfil e recuperação da dimensão vertical.

26TELEFRONTAIS COMPARATIVASRadiografias frontais comparativas da paciente: no inicio do tratamento em oclusão habitual, durante o tratamento com o DIO (dispositivo intraoral) em oclusão neuromuscular fisiológica.

27 PANORAMICA com o DIORadiografia panorâmica da paciente com o DIO construído em posição neuromuscular fisiológica.

47 ress esqu comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM esquerda, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

48 ress esqu comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM esquerda, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

49 ress esqu comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM esquerda, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

50 ress esqu comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM esquerda, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

51 ress direita comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM direita, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico. Neste corte se aprecia a melhora na relação côndilo discal obtida.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

51 b ress direita comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM direita, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico. Neste corte se aprecia a melhora na relação côndilo discal obtida.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

52 ress direita comparativa 1RNM: cortes sagitais comparativos da ATM direita, boca fechada, antes e após o tratamento Neuromuscular Fisiológico.Neste corte se aprecia a melhora na relação côndilo discal obtida.
Nota-se a descompressão tridimensional da articulação. Objetivo primordial neste caso específico.

53 ress esquerda frontal comparativa 1RNM: Comparação do corte frontal da ATM ESQUERDA, boca fechada, antes do tratamento neuromuscular fisiológico,  e da mesma ATM ESQUERDA após a FINALIZAÇÃO DA PRIMEIRA FASE.

Nota-se a descompressão da articulação temporomandibular,especialmente no polo lateral. 

54 ress direita frontal comparativa 1RNM: Comparação do corte frontal da ATM DIREITA, boca fechada, antes do tratamento neuromuscular fisiológico,  e da mesma ATM DIREITA após a FINALIZAÇÃO DA PRIMEIRA FASE.

Nota-se a descompressão da articulação temporomandibular,especialmente no polo lateral. 

A paciente não relatou mais sintomatologia relacionada com a ATM. A bioinstrumentação também mostrou  objetivamente a melhora da função neuromuscular.

Foi decidido iniciar a SEGUNDA FASE do tratamento para retirar o DIO (dispositivo intraoral), mantendo a oclusão neuromuscular fisiológica.

Para isso utilizamos uma ortodontia tridimensional, onde os dentes são erupcionados para a nova posição neurofisiológica.

55 ORTO 1Na segunda fase, neste caso a ortodontia tridimensional a paciente é monitorada e desprogramada eletronicamente, e muitas vezes o dispositivo é recalibrado, para manter a posição obtida na primeira fase.

Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

56 PANORAMICA COM O IMPLANTERadiografia panorâmica da paciente após a instalação do implante e a remoção dos terceiros molares retidos superiores.

57 ORTO 2Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

58 ORTO 3Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

59 ORTO 4Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

60 ORTO 5Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

61 ORTO 6Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico). Fotografia do fio ortodôntico antes de cortar do lado direito para fins didáticos.

62 ORTO 7Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

63 ORTO 8Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

65 ORTO10Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

66 ORTO101Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

67 ORTO102Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

68 ORTO103Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

68 RETIRADA DO DIORetirada do DIO ( dispositivo intraoral)

69 ORTO104Parte da sequência da segunda fase (neste caso clínico específico).

70 ORTO105Finalização da segunda fase.

71 OCLUSAL FINALVista oclusal superior e inferior da paciente após a finalização da segunda fase.

72 panoramicas comparativasRadiografias panorâmicas comparativas da paciente antes e após a finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional.

72 comparação OCLUSAIS FINAISVista oclusal superior e inferior comparativa da paciente antes e após da finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional.

72 OCLUSÃO IcomparativasOclusão comparativa da paciente antes e após da finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional.

77 registro controle após a ortodontiaRegistro cinesiográfico de controle após a finalização da ortodontia tridimensional em posição neuromuscular fisiológica.

Trajetórias neuromusculares coincidentes.

73 laminografias finalLaminografia da paciente em oclusão neuromuscular fisiológica após a finalização da segunda fase do tratamento.

74 3 laminografias comparativasLaminografias comparativas da paciente: antes do tratamento, durante a primeira fase do tratamento e após a finalização com ortodontia tridimensional.

75 TELEFRONTAIS COMPARATIVASRadiografias frontais comparativas da paciente: antes do tratamento, durante a primeira fase do tratamento e após a finalização com ortodontia tridimensional.

76 rad lateral e perfil comparativas 3Radiografias laterais e perfil comparativas da paciente: antes do tratamento, durante a primeira fase do tratamento e após a finalização com ortodontia tridimensional.

78 DEPOIMENTO 1.jpgDepoimento da paciente:

O que me fez procurar o tratamento foram dores de cabeça recorrentes, frequentes (semanais) e intensas, que duravam, em média, 2 dias, afetando meu rendimento no trabalho, bem como as horas de lazer.

As dores não cediam com analgésicos comuns, necessitando de medicação forte, que, por sua vez, só amenizava um pouco as dores.

Hoje, após o tratamento, posso afirmar que só muito raramente sou acometida destas dores, melhorando muito a qualidade de vida, além da postura.

Tratamento das Patologias da ATM: Paciente com Dor na Região da Nuca, Zumbidos Bilaterais e Fraturas Recorrentes de Dentes e Próteses. Primeira e segunda fase. Caso clínico.

1-itacir-inicial-frontal

Paciente masculino de 57 anos de idade se apresenta na clínica, encaminhado por um colega com queixas de: dor na nuca principalmente no lado direito, zumbidos em ambos ouvidos e percepção de sons estranhos.

2-itacir-inicial-lateral

Queixa-se de apertamento dentário diurno e noturno.
Refere perdas dentárias muito cedo, e instalação de próteses que seguidamente são fraturadas, como também fratura obturações dentárias.

3-dentes

Oclusão habitual do paciente no dia da consulta, o paciente tinha feito uma prótese removível, mas não sentia nem estabilidade nem conforto com ela.

4-oclusais

Vista oclusal superior e inferior do paciente sem a prótese removível inferior antes do tratamento.

5-panoramica-1

Radiografia panorâmica inicial do paciente antes do tratamento

Ao exame radiográfico observa-se ausência dos elementos dentais 17, 15, 14, 24, 27, 28, 38,37 e 36.

Perda óssea alveolar na maxila e na mandíbula. Comprometimento do suporte ósseo do elemento 18. Comprometimento da região de furca do elemento 46.

Extensão alveolar do seio maxilar na região de pré-molares e molares

Elementos 13 e 12 endodonticamente tratados.

6-laminografia-1

A laminografia das articulações temporomandibulares mostra posicionamento superior e posterior do processo articular do lado direito na cavidade articular e posicionamento inferior e anterior do processo articular do lado esquerdo na cavidade articular quando a mandíbula se encontra em posição de intercuspidação máxima.

Na posição de abertura máxima, observasse angulação anterior dos processos articulares. Aplainamento significativo da superfície posterior e superior do processo articular direito.

7-a-perfil-e-tele

Radiografia lateral conjuntamente com a imagem do perfil do paciente antes do tratamento.

7-frontal-1

Radiografia frontal em conjunto com a imagem frontal do paciente antes do tratamento.

8-c7-e-perfil

Radiografia lateral e da coluna cervical conjuntamente com a imagem lateral do paciente antes do tratamento.

9-comparativos-emg-basal

Registros eletromiograficos comparativos em repouso ou basal do paciente, antes e após a desprogramação eletrônica com o TENS.

Notasse a relaxação dos músculos especialmente do masseter direito que após a relaxação mostrou valores simétricos com o masseter esquerdo.

10-dinamico-1

Registro eletromiográfico dinâmico em oclusão habitual do paciente antes do tratamento. Notasse a ativação dos trapézios e dos digástricos no momento de oclusão máxima.

10-a-1-corte-ressonancia

Em um corte da ressonância nuclear magnética observa-se angulação anterior dos processos articulares, aplainamento da superfície superior e posterior do processo articular do lado direito e da superfície posterior do lado esquerdo. Informação que tínhamos na laminografia.

Os discos articulares estão deslocados anteriormente e também estão afilados o que implica estruturalmente um disco que nem sempre pode cumprir a função para o que um disco está desenhado. De tudo jeito é imperativo neste caso mesmo que não se consiga uma recaptura dos discos, promover uma descompressão articular

11-jaw-tracker-1

Os músculos mastigatórios do paciente  foram de programados eletronicamente e foi registrada a posição de repouso com  um cineciógrafo computadorizado.

Foi confeccionado um dispositivo para reposicionar tridimensionalmente a mandíbula.

O paciente apresentava um espaço livre interoclusal patológico muito grande de 13 mm, e uma retroposição mandibular de dois na construção do DIO.

Foi deixado um espaço interoclusal livre sadio de dois mm

Os registros vão modificando a medida que o sistema vai melhorando, e os dispositivos são trocados e ou recalibrados.

14-ortese-1

A posição de repouso mandibular tridimensional foi gravada sob a forma de um registro de mordida oclusal, que mais tarde foi utilizado para fabricar um DIO (dispositivo intraoral).

16-laminografia-comparativa

Laminografias comparativas do paciente a superior em oclusão habitual antes do tratamento e a inferior em posição neurofisiológica utilizando o DIO (dispositivo intraoral)

17-a-perfil-comparativos

Imagens comparativas do paciente: antes do tratamento e durante o tratamento com utilização do DIO (dispositivo intraoral)

18-teleradiog-comparativas

Radiografias laterais do paciente: em oclusão habitual e com a utilização do DIO (dispositivo intraoral)

19-comparativa-frontal

Imagens frontais comparativas do paciente antes e durante o tratamento com a utilização do DIO (dispositivo intraoral)

20-telefrontais-comparativas

Radiografias frontais comparativas do paciente: antes do tratamento e durante o tratamento com a utilização do DIO (dispositivo intraoral)

21-comparativa-perfil-1

Imagens posturais comparativas do paciente: antes do tratamento e durante o tratamento com a utilização do DIO (dispositivo intraoral)

22-comparativo-sorriso-1

Imagens posturais frontais sorrindo comparativas do paciente: antes do tratamento e durante o tratamento com a utilização do DIO (dispositivo intraoral)

24-radiografia-implante-1

Com a órtese colocada se inicia a primeira fase de colocação de implantes.

Radiografia panorâmica do paciente em oclusão neurofisiológica com o DIO (dispositivo intraoral), após a instalação dos primeiros implantes.

26-implantes-2

Para os implantes superiores foi necessário realizar enxerto ósseo, 120 dias após o enxerto ósseo foram realizados os implantes superiores.

Radiografia panorâmica do paciente em oclusão neurofisiológica com o DIO (dispositivo intraoral), após a instalação dos implantes restantes.

25-preparo-implante-1

Dispositivo intraoral construído em posição neurofisiológica com os implantes instalados.

jaw-tracker-2

Controle do registro do dispositivo intraoral, os registros vão modificando a medida que o sistema vai melhorando, e os dispositivos são trocados e ou recalibrados.

27-orto-1

É iniciado a segunda fase com ortodontia tridimensional. Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico.

29-orto-3

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico.

30-orto-4

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico.

31-orto-5

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico.

32-orto-6

Alinhamento e recuperação do setor inferior com resinas.

O paciente é testado com bioinstrumentação mantendo um resultado estético e funcional dentro do caso específico.

jaw-tracker-3

Controle da trajetória neuromuscular no paciente reabilitado.

eletro-apos-orto

Registro eletromiográfico dinâmico após a finalização da segunda fase do paciente. Ortodontia e reabilitação.

33-finalizacao-1

Finalização do tratamento de patologia da ATM, ortodôntico e reabilitador (neste caso clínico específico). A reabilitação neurofisiológica foi executada pelo Dr. João Sousa.

A reabilitação posterior foi feita mantendo a dimensão vertical com o dispositivo, mas tendo que ceder um pouco na altura ideal devido às condições de osso do paciente, e possibilidades de reabilitação e limitações ortodônticas.  A reabilitação foi feita com coroas metalocerâmicas, e nos implantes superiores coroas em zircônia nos elementos 14 e 15.

34-a-oclusais-finais-1

Vista oclusal superior e inferior do paciente após a finalização do tratamento neurofisiológico.

34-panoramica-final

Radiografia panorâmica do paciente após a finalização do tratamento neurofisiológico.

35-lamino-final

Laminografia  do paciente em oclusão neurofisiológica após a finalização do tratamento .

36-tele-final

Radiografia lateral do paciente em oclusão neurofisiológica após a finalização do tratamento.

38-frontal-final

Radiografia frontal do paciente em oclusão neurofisiológica após a finalização do tratamento.

38-dentes-comparativos-finais

Oclusões comparativas do paciente antes e após o tratamento neurofisiológico.

39-oclusais-comparativas

Vistas  oclusais superior e inferior comparativas  do paciente antes e após o tratamento neurofisiológico.

34-a-panoramicas-comparativas

Radiografias panorâmicas comparativas do paciente: antes durante e após o tratamento neurofisiológico.

A reabilitação posterior foi feita mantendo a dimensão vertical com o dispositivo, mas tendo que ceder um pouco na altura ideal devido às condições de osso do paciente, e possibilidades de reabilitação e limitações ortodônticas.  A reabilitação foi feita com coroas metalocerâmicas, e nos implantes superiores coroas em zircônia nos elementos 14 e 15.

41-comparativa-frontal

Imagens frontais comparativas do paciente: antes durante e após o tratamento neurofisiológico.

42-comparativa-perfil-1

Imagens de perfil comparativas do paciente: antes durante e após o tratamento neurofisiológico.

43-teleradiog-comparativas-inicial-e-final

Radiografias laterais comparativas do paciente: antes e após a finalização do tratamento neurofisiológico.

44-depoimento-1

Depoimento do paciente:

Principais Sintomas:

1) Eu sentia zumbidos bilaterais- Este sintoma me incomodava muito, principalmente no silêncio da noite era quase uma tortura, hoje não sinto mais nada, tanto é que já esqueci que um dia tive zumbido.

2)Sons estranhos em ambos os ouvidos: Tinha dificuldades de identificar, confundia de que lado vinham os sons e as vozes.

3) Apertamento dentário e quebra constante de próteses e restaurações- lembro que este foi o principal motivo pelo qual o Dr. João me indicou a procurar tratamento. Hoje uso uma ortose para dormir e nunca mais tive problemas.

4) Tive um grande presente, que não esperava e também não estava procurando por isso. O rejuvenescimento facial, ao ponto de algumas pessoas não me reconhecerem ao passarem por mim. Outras percebiam a mudança e pediam o que tinha feito e mais recentemente um amigo me pediu, qual o segredo de envelhecer jovem. Estou muito feliz, estou muito mais jovem. Obrigado Dra. Lídia, obrigado Dr. João.

Jornada Odontológica Interdisciplinar: Patologias da ATM e a sua conexão com a saúde integral do ser humano.

A odontologia  neuromuscular fisiológica, considera todo o sistema corporal que controla a postura e o funcionamento da mandíbula e procura estabelecer uma posição baseada entre a relação harmoniosa dos músculos, dentes e articulações temporomandibulares (ATM).
No dia 4 e 5 de Novembro de 2016 será realizado em Lajeado a Jornada Odontológica Interdisciplinar.
Patologias da ATM e a sua Conexão com a Saúde Integral do Ser Humano.
lajeado

Nesta Jornada diferentes profissionais que atuam direta e indiretamente no sucesso dos tratamentos nesta linha, compartilham conhecimento com colegas da área da saúde, esperamos vocês.

A seguir os palestrantes e os temas a serem desenvolvidos. Mais informações em:

https://www.facebook.com/jornadaodontologicainterdisciplinar/?fref=ts

lidia

Dra. Lidia Yavich

Especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial; Co-autora dos livros Compêndio de Diagnostico das Patologias da ATM, edição em português e espanhol, 2004; e Atlas de Imagens Sadias e Patológicas da Articulação Temporomandibular, edição trilíngue: inglês, espanhol e português, 2008;

Sócia fundadora e presidente da SBPAT – Sociedade Brasileira de Patologias da Articulação Temporomandibular.

Patologias da ATM e sua Conexão com a Saúde Integral do Ser Humano: o que não nos foi ensinado na Universidade

Muitos pacientes que nos procuram na Odontologia para correções ortodônticas, reabilitações complexas ou simples apresentam ruídos em suas articulações temporomandibulares, facetas e erosões visíveis em suas imagens e dores em diferentes regiões da cabeça, pescoço e ombros e não necessariamente na região das articulações temporomandibulares.

Lesões nos tecidos duros como consequência de traumatismos na primeira infância podem provocar lesões no disco e nos ligamentos.

Infecções e doenças autoimunes devem ser consideradas, uma vez que afetam não só a articulação temporomandibular mas também todas as cadeias fasciais e musculares do corpo humano.

enio

Dr. Enio Tadashi Setogutti

Membro Titular do CBR – Colégio Brasileiro de Radiologia.

Responsável Médico pelo setor de Ressonância Magnética do SIDI .

Especialização em Ressonância Magnética no Hospital Pitie Salpetriere, Paris, França.

Fellow visiting in Neuro-Radiology no MGH, Boston, USA.

Ressonância Nuclear Magnética da Articulação Temporomandibular – por que T1, T2, stir e densidade de prótons. Diferenças técnicas e diagnósticas.

A palestra traz uma revisão da anatomia da articulação temporomandibular (ATM),

discutindo as diferentes técnicas relacionadas a imagem da ATM por ressonância nuclear magnética. Iremos comparar as diferentes sequências utilizadas, tais como se t1, fse t2, stir e densidade de prótons, suas vantagens e desvantagens, além das patologias que cada sequência permite ver e discutiremos os diferentes protocolos.

afonso

Dr. Afonso Teatini
Especialista em Disfunção Temporo Mandibular e dor orofacial
Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares
Especialista em Implantodontia
Sócio fundador e vice presidente da SBPAT

A importância da Tomografia Computadorizada no diagnóstico, tratamento e controle das anomalias e patologias da ATM.
Vamos abordar a aplicação da Tomografia Computadorizada na prática clínica e a melhor forma de aproveitar e organizar os exames dos pacientes para que esta ferramenta incrível de diagnóstico seja uma realidade da vida do profissional.

eliseu

Dr. Eliseu Dallé

Especialista e mestre em Cirurgia Computadorizada e em Traumatologia Buco- Maxilo facial; ex professor de Cirurgia da Faculdade de Odontologia da ULBRA; consultor Científico Zimmer-Pl Branemark; experiencia de mas de 18.000 implantes aplicados.

Osso Alveolar e Implantes Dentários. Como compatibilizá-los?

valdai

Dr. Jose Valdai de Souza

Especialista em Cirurgia Geral

Especialista em Biologia Molecular e Toxicologia Clínica.

A Importância da Estrutura Molecular Óssea na Osteointegração

A palestra discorrerá sobre a importância da estrutura molecular do osso nos implantes dentários. Este conhecimento melhora os resultados e possibilita ao Cirurgião-Dentista avaliar o paciente antes do procedimento e também corrigir algumas deficiências em minerais, aminoácidos ou vitaminas, para uma melhor osseointegração. Vamos abordar as causas que podem interferir na osseointegração, os exames para avaliar a qualidade do osso e os tratamentos necessários como coadjuvantes para uma melhor reposta funcional e estética.

luiza

Dra. Luiza Rodrigues Franco

Mestre em Saúde Pública pela Escola de Saúde Pública, Havana e UNB, 1999

Especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial pela American Academy of Craniofacial Pain, Sessão Latino Americana, Buenos Aires – AR, 2008, em Ortodontia pelo IPENO-SC, 2009

Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares- Universidade Veiga de Almeida – RJ, 2006

Vice Presidente da Associação Brasileira em Odontologia Hospitalar – TO

Presidente do 30º Simpósio Internacional de Patologia da ATM, Palmas.

Respiração, Articulação Temporomandibular e Postura, o que têm em comum?

A abordagem da palestra evidenciará algumas teorias constatando como Patologias da ATM e Alterações Respiratórias podem causar a má postura corporal e a evidenciação da correlação com as cadeias musculares. Objetivando concluir que na correção  da postura corporal deve-se ter atenção à ATM e à forma do indivíduo respirar para alcançarmos o sucesso pretendido.

luis-daniel

Dr. Luis Daniel Yavich Mattos

Especialista em Radiologia e Imaginologia pela UFRGS

Especialista em DTM e Dor Orofacial pelo CFO
Membro da American Academy for Sports Dentistry

Cirurgião Dentista do Instituto do Atleta – São Paulo e Departamento Odontológico do Botafogo F.R – Rio de Janeiro

Promovendo Performance Além da Proteção

Uma nova história no esporte está sendo escrita a partir do conhecimento e tratamento das patologias da ATM. Se sabemos que a posição mandibular pode influenciar na posição do indivíduo, podemos influenciar no desempenho de qualquer atleta em qualquer esporte. Essa palestra irá mostrar um novo horizonte na odontologia e no esporte. E quem pode mudar essa história são os cirurgiões dentistas.

cosetti

Dra. Cosetti Bonfadini

Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial

Especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial

ATM e Ortodontia – saindo da zona de conforto

Nesta palestra iremos conversar sobre os aspectos do diagnóstico ortodôntico que minimizam ou, muitas vezes, ignoram o papel da ATM na origem dos problemas oclusão, e apresentaremos para os profissionais presentes ferramentas para identificar essas condições.

claudio.jpg

Dr. Claudio Bertella.

Mestre em Laser na Odontologia- FOUSP-SP; especialista em Dentística Restauradora- PUCCAMP-SP- Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial-CFO.

Reabilitação oral Neurofisiológica e Dimensão Vertical

Agora, podemos afirmar que a dimensão vertical tão discutida na odontologia é tridimensional. A evolução tecnológica dos equipamentos- cineciógrafo, eletromiógrafo e desprogramadores eletrônicos mandibulares- contribuíram para a descoberta dessa tridimensionalidade.

O sistema estomatognático ou mastigatório é composto por quatro estruturas: óssea ( maxila e mandíbula), dentes, músculos e ATM.

Da primeira infância ao envelhecimento, várias causas geram perda da tridimensionalidade. Principalmente as patologias da ATM: crescimento deficitário da maxila e mandíbula, bruxismo e perdas das peças dentárias. A partir do diagnóstico das alterações, a reabilitação oral neurofisiológica busca no comprimento genético dos músculos mastigatórios, restabelecer a dimensão tridimensional do terço inferior da face, a fisiologia dos movimentos e funções do sistema estomatognático. E possibilita a reabilitação dentária- por restaurações, próteses e ortodontia.

como-chegar

inscripcao

Reabilitação e Ortodontia Neuromuscular fisiológica Combinada: paciente com processos degenerativos em varias articulações do corpo.

A publicação anterior tratou o enfoque neuromuscular fisiológico da primeira e da segunda fase no tratamento das patologias da articulação temporomandibular. A paciente da última publicação “Ortodontia Tridimensional na Segunda Fase dos Tratamentos das Patologias da ATM” tinha todas as peças dentárias e boa saúde periodontal, o que nos permitiu por meio de uma ortodontia tridimensional restaurar e equilibrar o sistema após a primeira fase, com a ELIMINAÇÃO DO DISPOSITIVO.

Sabemos que há casos em que podemos melhorar o quadro, e outros em que podemos evitar que piorem, e outros ainda em  que só poderemos tratar a dor.

Nesta publicação relataremos um caso onde devolvemos à paciente uma boa qualidade de vida e pudemos oferecer uma reabilitação neuromuscular fisiológica combinada com uma ortodontia tridimensional, sempre mantendo a localização mandibular em equilíbrio com os planos musculares, com a articulação temporomandibular e com os planos dentários, conseguidos na primeira fase.

1 HELENA DE MATTOS

Paciente feminina de 54 anos de idade se apresenta no consultório com forte dor na parte superior da cabeça, nas têmporas, na nuca e na coluna cervical.

1B HELENA DE MATTOS

A dor é tanta que ELA REFERE VONTADE de arrancar todos os dentes, acreditando que a origem da dor seja dos dentes. Refere muita dor no rosto, e fortes pontadas nos ouvidos.

1C

A paciente marcou a dor nas áreas de cabeça e pescoço, mas referia dor em varias articulações do corpo.

Depoimento da paciente:

Muito tempo atrás começou a dor no ouvido. Consultei vários médicos otorrinolaringologistas que falaram que não tinha nada no ouvido. Consultei um neurologista e após de ser medicada com carbamazepina FALARAM QUE TINHA UMA NEURALGIA DO GLOSSOFRANGEO. Senti muito desconforto com a medicação. Tonturas e falta de concentração. Consultei com o Dr. Jose Valdai de Souza, que retirou essa medicação. Fez uma melhora no sistema geral e revisando a articulação temporomandibular me encaminhou para a clinicamy.

2 DENTES

A paciente apresentava uma estética MUITO deteriorada dos seus dentes e rosto, MAS O MOTIVO DA CONSULTA ERA DEVIDO A DOR NA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR, DOR NA FACE, FORTE DOR DE CABEÇA E DOR DE OUVIDO.

A paciente já tinha se submetido a muitos tratamentos odontológicos, mesmo assim continuava desgastando e quebrando os dentes. Ela tinha perdas de elementos dentários. Tinha também  próteses instaladas, mas a paciente desistiu de obter uma melhora estética já que as dores de articulação e de cabeça não lhe permitiam ter uma vida normal.

3 DENTES

Ela já tinha consultado vários especialistas, até ser encaminhada pelo seu médico clínico à Clínica My.

A vista oclusal dos dentes da paciente é marcada pelo desgaste dos dentes anteriores, tanto superiores como inferiores.

4 PANORAMICA

Ao exame radiográfico obseva-se ausência dos elementos dentais 18,16,28,28,36, 46 4 48.

Os elementos 15, 14, 22, 24, 26, 35,44 e 45 se encontram endodonticamente tratados.

Presença de prótese fixa com apoio nos elementos 16/15. Presença de prótese fixa unitária com pino metálico intracanal nos elementos 14, 22, 26, 35,34 e 45.

Extensa restauração coronária nos elementos 13,24 e44.

Presença de material restaurador nos elementos 11, 21, 23, 27,32 e 47.

Perda óssea alveolar na maxila e na mandíbula mais acentuada nas áreas edêntulas.

Alongamento do processo estiloide esquerdo.

5 LAMINOGRAFIA

A Laminogafia da paciente em oclusão habitual mostra retroposição dos côndilos mandibulares e uma sequela de traumatismo na primeira infancia (no lado esquerdo). Pode-se observar nesta imagem a alteração do eixo de crescimento do côndilo mandibular. O site da clínica www.clinicamy.com.br conta com os links para ambos os artigos. Alterações na Orientação do Côndilo Mandibular Devido a Traumatismos na Primeira Infância

Caso clínico apresentado na edição número 4 do Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, de outubro/dezembro de 2001.

Structural modifications of the mandibular condylar process as one of the sequels of traumatism in infancy

Artigo publicado no Journal of Cranio-Maxillary Diseases, volume 3, issue 2,  julho/dezembro de 2014.

5B LAMINOGRAFIA

Alterações na Orientação do Côndilo Mandibular Devido a Traumatismos na Primeira Infância

Caso clínico apresentado na edição número 4 do Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, de outubro/dezembro de 2001.

5C LAMINOGRAFIA

Structural modifications of the mandibular condylar process as one of the sequels of traumatism in infancy

Artigo publicado no Journal of Cranio-Maxillary Diseases, volume 3, issue 2,  julho/dezembro de 2014.

5D ressonancia boca fechadaUm dos cortes da ressonância nuclear magnética mostrando a assimetria das cabeças mandibulares, e a alteração do eixo de crescimento do lado esquerdo.

Os discos articulares se encontram luxados anteriormente com redução nos cortes da ressonância em boca aberta (não incluídos nesta publicação). O objetivo principal neste caso é a descompressão e equilíbrio tridimensional dos músculos mastigatórios. As assimetrias estruturais provocadas pelo traumatismo não podem ser modificadas, mas o equilíbrio muscular sim.

Depoimento da paciente:

Minha mãe falou que muito pequena cai de uma arvore de cabeça.

6 TELE PERFIL

A radiografia de perfil mostra o colapso da oclusão da paciente. A simples vista poderíamos atribuir esse colapso a perda dentaria e migração do molar, MAS NÃO É TÃO SIMPLES ASSIM, a paciente apresenta uma perda dimensional também provocada pela alteração do eixo de crescimento da cabeça da mandíbula. Esta perda dimensional é muitas vezes observada em pacientes com TODAS AS PEÇAS DENTARIAS EM BOCA, mas que apresentam alteração no eixo do crescimento do côndilo mandibular, devido a traumatismo na primeira infância ou outros processos etiológicos que afetaram uma ou ambas as cabeças mandibulares.

7 C7  A radiografia lateral incluindo a coluna cervical mostra o total desalinhamento vertebral, os processos degenerativos e perda do espaço entre as vértebras.

   Depoimento da paciente:

Tive um acidente de carro, um caminhão atravessou na frente do meu carro, eu bati com o rosto no vidro do automóvel, precisei fazer uma reparação no rosto.

7B C7 2

Osteófitos ( bico de papagaio) especialmente em C4, C5 e C6. A paciente também tem ressonância magnética da coluna cervical mostrando varias protrusões dos discos intervertebrais.

7D FRONTAL 8 A DENTES ORTOSE

Seus músculos foram desprogramados eletronicamente e foi construído um DIO dispositivo intraoral, ou ortese em posição neurofisiológica. Nas outras publicações se faz menção dos métodos cinesiográficos utilizados.

8 B eletromiografia em oc. habitual

A eletromiografia de superfície em oclusão habitual nos mostra uma importante assimetria dos músculos temporais direito e esquerdo, e também assimetrias entre os masseteres direito e esquerdo.

8C fotos comparativas frontais

Modificações estéticas com o dispositivo em posição neurofisiológica em boca.

10B PANORAMICA implantes 1

Foi planejada a instalação de dois implantes no lado esquerdo inferior e dois implantes no lado direito superior onde a paciente tinha uma prótese velha. Todos estes procedimentos são realizados SEMPRE COM DIO (Dispositivo Intra-Oral) construído em posição neurofisiológica colocado em boca 24 horas por dia.

10C panoramicas comparativas   Radiografias panorâmicas comparativas :inicial antes do tratamento e panorâmica com os implantes colocados, sempre com o DIO, dispositivo intraoral em posição neurofisiológica instalado em boca.

9 dentes cavidades

O preparo cavitário só teve uma finalidade provisória, estética, e que nos permitiria o inicio da movimentação ortodôntica do setor anterior como vai ser postado mais tarde.

10 dentes prov e inicio da ortodontia

Os dentes foram reabilitados PROVISORIAMENTE COM RESINAS para melhorar a estética e  autoestima da paciente. A paciente apresentava remissão da sintomatologia, o que nos permitiu trabalhar na recuperação da saúde, da estética e do sistema estomatognático da paciente.

A movimentação ortodôntica COM O DISPOSITIVO INTRA-ORAL FOI INICIADA. O primeiro objetivo foi a verticalização do molar inferior do lado direito e a recuperação do espaço do 46  que nos permitisse a instalação do implante.

11 preparo ortodontico setor anterior  O segundo objetivo na continuação da reabilitação neurofisiológica combinada com a ortodontia tridimensional, foi a vestibularização do setor anterior superior possibilitando a reconstrução anatômica adequada dos dentes
12 preparo protese-1

Alguns dentes apresentaram degeneração pulpar, precisando endodontia e reforço do núcleo dentário com pinos metálicos.

13 cimentação de coroas provisorias Implante no lugar do 46, após a recuperação do espaço.

14 cimentação definitiva dos provisórios 15 cimentação coroas definitivas

Nesta vista sem o dispositivo intraoral, com as coroas metalo-cerâmicas já cimentadas, se mostra o setor incisivo inferior com desgastes a serem reabilitados com resinas.

16 terminado

Neste caso o planejamento inicial foi manter um dispositivo intraoral após a reabilitação, já que a perda dimensional era muito grande. A paciente apresentava perdas ósseas também importantes e diversos processos degenerativos em varias articulações do corpo, INSTALAÇÃO DE UMA PRÓTESE NA BACIA E IMPORTANTE DESALINHAMENTO NA CERVICAL COM OSTEÓFITOS E PERDA DO ESPAÇO INTERVERTEBRAL.

O dente 35 tinha um pino de mais de 10 anos fraturado ( lembrar que era o último dente antes da instalação dos implantes) com importante sobrecarga.

Foi decidida a extração desta peça e a paciente que ESTÁ SEM DOR, E COM O ESPAÇO PRESERVADO PELO DIO, vai decidir mais tarde a instalação de um implante.

16B oclusal final 17 laminografia final

Laminografia mostrando a descompressão tridimensional das cabeças mandibulares.

18 laminografias comparativas

Comparação das laminografias antes e após a reabilitação neurofisiológica combinada com e a ortodontia tridimensional

19 PANORAMICA final

Radiografia panorâmica com a finalização da reabilitação e o espaço do dente 35 preservado para futuro implante.

20 panoramicas comparativas

Comparação das radiografias panorâmicas pré, durante e após a reabilitação neurofisiológica combinada com a ortodontia tridimensional.

21 comparativas frontais

Comparação das radiografias frontais pré e após reabilitação neurofisiológica e ortodontia tridimensional. 23

 Fotografias intraorais pre e pós tratamento21 comparativas laterais

Comparação das radiografias laterais e da coluna cervical, pré e após reabilitação neurofisiológica e ortodontia tridimensional. Lembrar que parte da decisão de manter o dispositivo é por causa das lesões degenerativas na coluna cervical, como em outras articulações. 

22 postura comparativa

Modificações estéticas e posturais da paciente pré-tratamento e após a reabilitação neurofisiológica.

dEPOIMENTO 1

Depoimento da paciente

Depoimento da paciente:

Quando cheguei à clinica eu estava com muita dor no rosto, na cabeça e no ouvido. Tinha vontade de mandar tirar meus dentes de tanta dor, e tanta ferroada no ouvido.

Quando estava em um ambiente silencioso sentia zumbido do lado esquerdo e a dor subia para a cabeça. Às vezes passava a noite caminhando para poder aguentar…

Iniciei o tratamento da ATM (articulação temporomandibular) e comecei a ter alivio das minhas dores. Após dois anos iniciamos a reabilitação. No meio tive uma cirurgia de bacia, onde os médicos precisaram instalar uma prótese de quadril.
Também tive um tumor no rim. Essas situações demoraram o ritmo da reabilitação.

Sem dor e com melhora na estética a Dra. Lidia e o Dr. Luis Daniel me explicaram que não poderia retirar totalmente o dispositivo, já que a perda de dimensão era muito grande e também porque os meus processos degenerativos estavam ativos, o que implicava falta de estabilidade não só na ATM, mas também em outras articulações.

Depoimento da paciente

Fiquei com um dispositivo intraoral pequeno que vai ser trocado em pouco tempo por um dispositivo intra-oral estético.

Minha qualidade vida melhorou 100 por cento, eu consigo dormir muito bem, e até o zumbido não sinto mais, nem as ferroadas.

ESTÉTICAMENTE MELHOROU A MINHA AUTOESTIMA, mesmo que isso não TENHA SIDO o motivo da procura. O motivo era aliviar as minhas dores, agora SEM DOR, TAMBÉM A ESTÉTICA É IMPORTANTE.

Grande abraço e o agradecimento aos meus Drs., pela qualidade de vida.

FINAL