A articulação temporomandibular (ATM) como gatilho periférico na dor de cabeça. Reabilitação Neuromuscular Fisiológica. Primeira e Segunda fase. Caso clínico.

1 FRENTEPaciente de sexo feminino com queixa principal de dor de cabeça se apresenta na clínica, encaminhada por um colega de trabalho que tinha sido tratado na clínica pelo mesmo motivo.

A queixa principal da paciente era de dor de cabeça com alta frequência.   A paciente relata ter investigado a causa da dor e inclusive já tinha feito por solicitação do neurologista uma ressonância nuclear magnética de crânio que não acusou nenhuma anormalidade.

1 PERFILA paciente já tinha consultado com Neurologista, Otorrinolaringologista, Ortopedista e com o clínico geral.A paciente também refere dor de coluna.
2 DENTES INICIAISOclusão habitual da paciente no dia da consulta.

3 OCLUSAISVista oclusal superior e inferior da paciente no dia da consulta.

Os incisivos superiores e inferiores mostram sinal de desgaste.

7 PANORAMICARadiografia panorâmica inicial da paciente antes do tratamento.

Ausência do segundo pré-molar superior direito e dos terceiros molares inferiores.

A paciente relata que o pré-molar superior foi extraído na adolescência por falta de espaço para a erupção do canino.

O primeiro molar superior do lado esquerdo e o primeiro molar inferior do lado esquerdo apresentavam tratamento endodôntico com restaurações extensas e risco de fratura , foi informado da necessidade de extrair  o terceiro molar retido.

Os procedimentos só seriam efetuados após a descompressão articular.

8A LAMINOGRAFIAA laminografia das articulações temporomandibulares mostra uma modificação do eixo de crescimento do côndilo mandibular no lado esquerdo provocado por um traumatismo na primeira infância, (fratura em talo verde).

Na posição de abertura máxima observa-se limitação no movimento de abertura em ambos os processos articulares bem como aplainamento superior da cabeça da mandíbula direita.
Observa-se  aplainamento posterior no lado esquerdo.

4 TELEPERFILRadiografia lateral da paciente em oclusão habitual antes do tratamento.

5 C7Radiografia lateral e da coluna cervical da paciente em oclusão habitual antes do tratamento. Nota-se a perda da lordose cervical, retificação da coluna cervical.

6 FRONTALRadiografia frontal da paciente em oclusão habitual antes do tratamento.

8b ressonancias sagitaisRNM: cortes sagitais da ATM esquerda em boca fechada, pode-se observar a faceta na superfície superior e aplainamento posterior do côndilo mandibular.

8Dressonancias sagitais CORTES SUPERIORESNota-se a importante compressão posterior do côndilo esquerdo.

Objetivo primordial tem que ser a descompressão tridimensional do côndilo mandibular.

8B CINECIOGRAFIA 1BOs músculos mastigatórios da paciente foram desprogramados eletronicamente e foi registrada a posição de repouso com um cinesiógrafico computadorizado.

A paciente apresentava um espaço livre interoclusal patológico de 6,3 mm e uma retroposição mandibular de 0,5 mm.

9 ORTESECom o registro obtido com o cineciógrafo computadorizado foi confeccionado um dispositivo intraoral (DIO) para reposicionar tridimensionalmente a mandíbula.

A posição NEUROMUSCULAR FISIOLÓGICA, foi gravada sob a forma de um registro de mordida oclusal, que mais tarde foi utilizado para fabricar um DIO ( dispositivo intraoral)

9D PANORAMICA COM ORTESERadiografia panorâmica da paciente durante o tratamento com o dispositivo intraoral.

9C COMPARATIVAS DE TELEPERFIL 1Comparação das radiografias laterais e perfil da paciente: em oclusão habitual antes do tratamento e com o DIO (dispositivo intraoral), em posição neuromuscular fisiológica.

10 FRONTAIS COMPARATIVASRadiografias frontais comparativas da paciente: no inicio do tratamento em oclusão habitual, durante o tratamento com o DIO (dispositivo intraoral) em oclusão neuromuscular fisiológica.

10A C7 COMPARATIVASComparação das radiografias laterais e da coluna cervical da paciente: em oclusão habitual antes do tratamento e com o DIO (dispositivo intraoral), em posição neuromuscular fisiológica.

10B CONTROLE ORTESEControle do dispositivo intraoral (DIO). ESTES CONTROLES SÃO FEITOS COM FREQUÊNCIA durante a primeira e a segunda fase do tratamento  Modificando e aprimorando a POSIÇÃO NEUROMUSCULAR FISIOLÓGICA.

A paciente não relatou mais sintomatologia relacionada com a ATM. A bioinstrumentação também mostrou  objetivamente a melhora da função neuromuscular.

Foi decidido iniciar a SEGUNDA FASE do tratamento para retirar o DIO (dispositivo intraoral), mantendo a oclusão neuromuscular fisiológica.

Para isso utilizamos uma ortodontia tridimensional, onde os dentes são erupcionados para a nova posição neurofisiológica.

19 ORTO 0Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

20 ORTO 1Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

21 ORTO 2Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

22 ORTO 3Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

23 ORTO 4Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

24 ORTO 5Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

25 ORTO 6Durante a ortodontia tridimensional o DIO (dispositivo intraoral) é recalibrado e trocado para manter  à posição obtida na PRIMEIRA FASE

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

26 ORTO 7Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

28 ORTO 9Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

29 ORTO 9Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

30 ORTOSequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

Preparo para o aumento da largura dos incisivos superiores respeitando a posição Neuromuscular Fisiológica da paciente.

31 ORTOSequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, nesta paciente específica.

Preparo para o aumento da largura dos incisivos superiores respeitando a posição Neuromuscular Fisiológica da paciente.

32 orto finalFinalização da Primeira e da Segunda fase no tratamento das Patologias da ATM.  Reabilitação Neuromuscular Fisiológica.

Nesta sequencia específica foi proposto para a paciente outra possibilidade com importante melhoria da estética para o aumento das coroas clinicas dos incisivos superiores, devido a limitação neste caso das resinas compostas.

A paciente respondeu: que não trabalhava na televisão, que mesmo sabendo da limitação estética do procedimento com resinas, estava satisfeita porque para ela o objetivo do tratamento DOR  tinha sido alcançado.

33 OCLUSAIS FINAISVista oclusal superior e inferior da paciente após a finalização da segunda fase.

34 PANORAMICA FINALRadiografia panorâmica da paciente após a finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional e reabilitação neuromuscular fisiológica.

Foi necessária a extração do primeiro molar superior e a colocação de um implante após enxerto ósseo. Foi também realizada a exodontia do terceiro molar superior esquerdo incluso.

35 LAMINOGRAFIA FINALLaminografia das articulações temporomandibulares da paciente após a finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional e reabilitação neuromuscular fisiológica.

36 PERFIL FINALRadiografia lateral e perfil da paciente após a finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional e reabilitação neuromuscular fisiológica.

37 C7 FINALRadiografia lateral e da coluna cervical da paciente após a finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional e reabilitação neuromuscular fisiológica.

38 FRONTAL FINALRadiografia frontal da paciente após a finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional e reabilitação neuromuscular fisiológica.

39 FRONTAIS COMPARATIVASRadiografias frontais comparativas da paciente: antes do tratamento, durante a primeira fase do tratamento e após a finalização com ortodontia tridimensional.

40 C7 COMPARATIVASRadiografias laterais e da coluna cervical comparativas da paciente: antes do tratamento, durante a primeira fase do tratamento e após a finalização com ortodontia tridimensional.

41 PERFIL 3 COMPARATIVASRadiografias laterais e perfil comparativas da paciente: antes do tratamento, durante a primeira fase do tratamento e após a finalização com ortodontia tridimensional.

43 DENTES COMPARATIVASOclusão comparativa da paciente antes e após da finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional  e reabilitação neuromuscular fisiológica.

44 OCLUSAIS comparativasVista oclusal superior e inferior comparativa da paciente antes e após da finalização da segunda fase do tratamento mediante uma ortodontia tridimensional e reabilitação neuromuscular fisiológica.

45 CINECIOGRAFIA finalRegistro cineciográfico após a finalização da primeira e da segunda fase do tratamento neuromuscular fisiológico.

As trajetórias neuromusculares são coincidentes. Teríamos gostado de conseguir um espaço interoclusal de 2,5 a 3 mm, foi conseguido 4,1 mm

46 DEPOIMENTO 1Depoimento da paciente:

Querida Lidia,

Sabe eu realmente me dei conta de quanto o tratamento pelo qual me submeti melhorou a minha qualidade de vida quando estive este ano na clínica (2018) e olhei a minha ficha com as informações que eu havia registrado quando eu iniciei o tratamento. Para ser sincera eu nem me lembrava que antes do tratamento eu tinha dores nas articulações da mandíbula!! E como eram fortes.

Sempre tive dores de cabeça e enxaqueca, além é claro das dores na articulação da mandíbula. Registro o sempre pois lembro que quando era criança já as sentia. Me sentia muito mal e indisposta quando tinha crises.

Em uma determinada fase da minha vida em função do aumento da frequência das dores de cabeça e os constantes vômitos fui a muitos médicos pois pensei que estava com problema de estômago. Achava que as minhas dores de cabeça e enxaqueca eram consequência disso.

47 DEPOIMENTO 2

Mas com base nos exames que fiz à época, a minha clínica geral me disse que a questão do estômago era na verdade uma consequência das fortes dores de cabeça e enxaqueca.

Então, ela me indico procurar um neurologista para avaliação e tratamento. Fui ao neurologista, fiz exames, tratamento, tentei evitar a lista enorme de alimentos que ele me informou como prováveis desencadeadores de enxaqueca. Tudo o que fiz reduziu um pouco as dores de cabeça, mas não resolveu o problema que me atormentava.

E foi durante uma das minhas “crises” de dor de cabeça que um colega de trabalho comentou a possibilidade de que eu fizesse uma avaliação com uma dentista que o tinha tratado quando teve problemas na ATM. Para ser sincera não tinha nem bem noção do que era, mas quando se tem dor, toda a tentativa é válida.

47 DEPOIMENTO 3

Fiz a consulta, disponibilizei os exames que eu já havia feito na região da cabeça e lembro que na minha primeira conversa com a Lidia ela comentou que os exames indicavam que na minha  infância provavelmente eu havia sofrido uma queda que provocou uma modificação no crescimento da  minha mandíbula . Exatamente o lado em que tinha as dores de cabeça e a enxaqueca.

Saliento que em nenhum momento fiz o tratamento por uma questão estética, mas sim buscando, se não possível evitar as dores, mas minimiza-las.

Passei vários anos frequentando a clínica. Lembro que a minha placa em um dos estágios do tratamento era um “big monster” (kkk) considerando a sua altura.

Aos poucos ao longo do tratamento fui notando a redução das dores de cabeça e de frequência entre as crises de enxaqueca.

Hoje, pensando no antes e no depois do tratamento me dou conta de o quanto o tratamento, embora prolongado, melhorou a minha qualidade de vida.

Criança com Otalgia (dor de ouvido) e Perda Auditiva Condutiva: quando medir faz a diferença. Normalização dos limiares auditivos. Primeira e segunda fase. Caso clínico.

Os sintomas da perda auditiva leve que ocorrem na infância muitas vezes passam despercebidos.

 Várias atividades físicas e psíquicas das crianças e adolescentes podem ser afetadas em função da diminuição da capacidade auditiva.

A perda auditiva condutiva resultante da disfunção da tuba auditiva RESULTANTE DAS DESÓRDENS TEMPOROMANDIBULARES é MUITAS VEZES NÃO CONSIDERADA.

 É  de fundamental importância uma detecção precoce desta deficiência.

Existem dois tipos gerais de perda auditiva: a perda auditiva condutiva e a perda auditiva neurossensorial.
A perda auditiva condutiva resulta de perturbações na passagem do som da orelha externa para a janela oval.

Anatomicamente, esta via inclui o canal auditivo, membrana timpânica e ossículos. Essa perda pode ser devido a impacção de cerume, perfuração da membrana timpânica, otite média, osteosclerosis, disfunção muscular intra-auricular, ou deslocamento dos ossículos pelo ligamento maleolar.

Já a perda condutiva neurossensorial resulta em função de anormalidades otológicas além da janela oval. Tais alterações podem afetar as células sensoriais da cóclea ou as fibras neurais do oitavo nervo craniano.

A perda de audição com a idade (presbiacusia) é um exemplo. Tumores no oitavo nervo craniano também podem levar a tal perda de audição.

1

Paciente de sexo masculino com onze anos de idade se apresenta na consulta com queixas de dor de cabeça, dor na nuca, dor nos ombros, dor no pescoço, adormecimento e formigamento nas mãos e DIMINUIÇÃO DA ABERTURA BUCAL.

1A

O paciente refere dor no ouvido esquerdo e sensação de entupimento nos ouvidos, principalmente do lado esquerdo. Também refere zumbidos em ambos os ouvidos e DIMINUIÇÃO DA AUDIÇÃO, EM AMBOS OS OUVIDOS. 
Toda perda auditiva referida pelo paciente,  tem que ser constatada por AUDIOMETRIA.

2

Na história clínica do paciente em questão é relevante na análise do caso o antecedente de traumatismos no mento na primeira infância assim como as infecções repetitivas de ouvido e garganta e uma pneumonia que o paciente teve com oito meses e que precisou de internação hospitalar.

3

Imagens da oclusão habitual do paciente  e vista oclusal superior e inferior. Fotografias do paciente sorrindo de frente e perfil no dia da consulta.

5-panoramica-inicial

Radiografia panorâmica inicial do paciente no dia da consulta.

5

Laminografia das articulações temporomandibulares do paciente antes do tratamento: podemos observar o posicionamento superior e posterior do processo articular do lado esquerdo na cavidade articular  quando a mandíbula encontra-se em posição de intercuspidação máxima.

Na posição de abertura máxima, observa-se angulação anterior do processo articular do lado esquerdo.

6

Imagem da oclusão habitual do paciente antes do tratamento, no dia da consulta. Podemos observar uma importante sobremordida.

Fica  evidente a falta do espaço para o correto posicionamento do canino superior do lado esquerdo.

7

Vista oclusal superior e inferior do paciente antes de tratamento. Fica  evidente a falta de espaço para o correto posicionamento do canino superior do lado esquerdo.

8

Radiografia lateral em conjunto com a imagem de perfil do paciente, antes do tratamento.
Perfil retrognático e retificação da coluna cervical.

9 res fechada

RNM TI: Um  corte sagital da ATM esquerda e da ATM direita em boca fechada.

Podemos observar facetas anteriores nas cabeças mandibulares tanto do lado direito como esquerdo. Na ATM direita o disco está levemente luxado anteriormente. Na ATM esquerda a luxação é mais evidente, estando a cabeça da mandíbula apoiada nos ligamentos retro discais.

10 res aberta

RNM TI: Um  corte sagital da ATM esquerda e da ATM direita em boca aberta.

Podemos observar facetas anteriores nas cabeças mandibulares tanto do lado direito como esquerdo. Ambos os côndilos mandibulares não conseguem transladar estando diminuída a abertura bucal.

12 cineciog 1

Registro cinesiógrafico inicial: perda da velocidade quando o paciente abre e fecha a boca. Não há coincidência entre as trajetórias de abertura e fechamento na vista sagital do registro. Limitação na abertura bucal, o paciente consegue abrir só 32,9 mm.

11 ELET INICIAL

Eletromiografia de superfície dinâmica do paciente em oclusão habitual antes do tratamento.

São medidos:

Temporais anteriores direito e esquerdo.

Masseteres direito e esquerdo

Digástricos direito e esquerdo

Trapézio superior direito e esquerdo

Ativação dos digástricos no fechamento, sendo que estes músculos só devem ser ativados na abertura.

Importante ativação dos trapézios superiores mesmo o paciente sendo instruído a abaixar os ombros ele ativa ambos os trapézios durante todo o exame.

13

O paciente refere dor no ouvido esquerdo e sensação de entupimento nos ouvidos, principalmente do lado esquerdo. Refere também zumbidos em ambos os ouvidos e DIMINUIÇÃO DA AUDIÇÃO EM AMBOS OS OUVIDOS

TODA PERDA AUDITIVA REFERIDA PELO PACIENTE, NESTE CASO TAMBÉM RELATADA PELOS PAIS DO PACIENTE, TEVE QUE SER CONSTATADA POR AUDIOMETRIA.

15 AUDIOMETRIA INICIAL

Uma audiometria é produzida usando uma medida relativa da audição do paciente, em comparação com um valor estabelecido “normal”. É uma representação gráfica das respostas limiares auditivas que são obtidas a partir de testes de audição no paciente através de estímulos de tons puros. Os parâmetros da audiometria são frequência, medida em ciclos por segundo Hertz (Hz) e intensidade, medida em decibéis (dB).

A primeira audiometria do paciente revela uma discreta hipoacusia no ouvido esquerdo e uma leve hipoacusia no ouvido direito.

Os sintomas da perda auditiva leve que ocorrem na infância muitas vezes passam despercebidos. É  de fundamental importância uma detecção precoce desta deficiência.
A perda auditiva é classificada em leve, na qual o ouvido não é capaz de detectar sons abaixo de 40 decibéis e há dificuldade de compreender a fala humana.

Na perda moderada, os sons abaixo de 70 decibéis não são ouvidos.

17

Registramos a posição de repouso mandibular após a desprogramação eletrônica, em conjunto com a informação da ressonância nuclear magnética para a decisão do registro da mordida. Esses dados nos orientarão, para a construção tridimensional do DIO ( dispositivo intraoral).

O paciente apresenta um espaço livre patológico de 8,6 mm e uma retroposição mandibular de 8 mm.
Retrusão mandibular, seja causada por iatrogenia, traumatismo ou como resultado de má oclusão, resulta muitas vezes em otalgia ( dor de ouvido) devida à excessiva compressão dos tecidos retrodiscais.
A impressão do paciente é dor de ouvido.

18

Informei aos pais do paciente, que nesta etapa, me preocuparia só com a saúde do paciente, melhorando a função, a sintomatologia e controlando a perda condutiva da audição.

A perda de audição resultante da disfunção da tuba auditiva, iniciada por transtornos temporomandibulares é em geral subjetiva.

Por isso a necessidade de um controle objetivo, por meio de audiometria.

Expliquei que não faria nenhuma intervenção ortodôntica neste estágio como para incluir na arcada o canino que estava desalinhado e sem espaço. Comuniquei que cuidaria disso mais tarde e que neste caso não haveria necessidade de extrair dentes. 

19

No tratamento, 0 dispositivo instalado é controlado  por meio de eletromiografia de superfície para avaliar e comparar a sua função em relação aos registros anteriores.

20 AUDIOMETRIA 2

A segunda audiometria do paciente revela limiares normais no ouvido esquerdo e uma discreta hipoacusia no ouvido direito.

21 AUDIOMETRIA 1 e  2

Comparação da primeira e a segunda audiometria do paciente durante o tratamento.

Normalização dos limiares no ouvido direito e melhora nos limiares do ouvido esquerdo.

23

Lesões estruturais podem produzir alterações funcionais que por sua vez aumentam as alterações estruturais.

24

Alterações estruturais e funcionais.

25

Mesmo uma articulação descomprimida demora em recuperar-se.

Algumas lesões estruturais podem ser recuperadas OUTRAS NÃO.

25A

Mesmo uma articulação descomprimida demora em recuperar-se.

Algumas lesões estruturais podem ser recuperadas OUTRAS NÃO.

26

Leva tempo estabilizar os músculos durante o tratamento, pacientes diferentes, idades diferentes e patologias diferentes.

27 AUDIOMETRIA 3

A terceira audiometria do paciente revela limiares normais no ouvido esquerdo e limiares normais no ouvido direito.

28 AUDIOMETRIA 1 e  2 e 3

Comparação da primeira, segunda e terceira audiometria do paciente durante o tratamento.

Normalização dos limiares no ouvido direito e normalização dos  limiares do ouvido esquerdo.

Neste momento com a normalização da perda auditiva condutiva, com a remissão da sintomatologia,  melhora dos registros eletromiográficos e cineciográficos e melhora das estruturas nas imagens,  iniciamos a segunda fase por meio de uma ortodontia tridimensional.

29 SERIES DE ORTO 1

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico. LEMBRAR QUE NEM TODO CASO VAI PERMITIR A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA SEGUNDA FASE.

30 SERIES DE ORTO 2

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico. LEMBRAR QUE NEM TODO CASO VAI PERMITIR A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA SEGUNDA FASE.

30 A PERFIL E RAD LATERAL ORTO

Radiografia lateral em conjunto com a imagem do perfil do paciente, durante o tratamento.
Perfil estético e não retrognático como no inicio do tratamento.
Não ocorreu uma recuperação da lordose fisiológica mais SIM uma melhora na coluna cervical. 

31 SERIES DE ORTO3

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico. LEMBRAR QUE NEM TODO CASO VAI PERMITIR A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA SEGUNDA FASE.

32  SERIES DE ORTO4

Sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico. LEMBRAR QUE NEM TODO CASO VAI PERMITIR A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA SEGUNDA FASE.

33 RETIRADA DO DIO

Retirada do DIO ( dispositivo intraoral ) nesta fase da ortodontia tridimensional.

34 SERIES DE ORTO4

Imagem sem o dispositivo intraoral e finalização do tratamento na ortodontia tridimensional em oclusão neurofisiológica.

OCLUSAIS FINAIS

Imagens comparativas da vista oclusal superior e inferior  do paciente antes e após a finalização da primeira e a segunda fase do tratamento neurofisiológico.

35 AUDIOMETRIA 4

A quarta  audiometria do paciente após a finalização das duas fases do tratamento mantém os limiares normais no ouvido esquerdo e limiares normais no ouvido direito.

SERIES DE ORTO

Parte da sequência da ortodontia tridimensional na segunda fase do tratamento das patologias da ATM, neste paciente específico.

panoramicas comparativas

Radiografias panorâmicas comparativas: antes do tratamento e após a finalização da ortodontia tridimensional.

cef-comparativos

Radiografias laterais comparativas do paciente: no inicio do tratamento em oclusão habitual, após a finalização da ortodontia tridimensional em oclusão neurofisiológica e o controle, seis anos após a finalização do tratamento. 

37-cinesio-comparativos

Comparação dos registros cineciográficos computadorizados: antes e após o tratamento.
Abertura bucal do paciente passou de 32,9 mm para 38,9 mm.

Excelente  velocidade de abertura e fechamento.

37 eletro comparativo

Comparação dos registros eletromiográficos antes, durante e após o tratamento.

39 jaw trackwe  comparativoa

Comparação de registros após desprogramação mandibular: antes do tratamento a trajetória habitual não é coincidente com a trajetória neuromuscular.
Após o tratamento a trajetória habitual coincide tridimensionalmente com a trajetória neuromuscular.

40 todas as audiometrias

Comparação da primeira, segunda, terceira e quarta audiometria do paciente. 

Normalização dos limiares  no ouvido esquerdo e no ouvido direito.

FINALE FINALE

Várias atividades físicas e psíquicas das crianças e adolescentes podem ser afetadas em função da diminuição da capacidade auditiva. A perda auditiva condutiva resultante da disfunção da tuba auditiva RESULTANTE DAS DESÓRDENS TEMPOROMANDIBULARES é MUITAS VEZES DESCONSIDERADA.

É  de fundamental importância uma detecção precoce desta deficiência.

42 DEPOIMENTO 1

Ao terminar todo o tratamento, ainda adolescente, o paciente escreveu o seguinte depoimento:

A minha dentista me encaminhou para a ortodontista, por causa de um canino torto. Daí após uma radiografia panorâmica ela suspeitou que eu poderia ter um problema de ATM. Ela me encaminhou a Porto Alegre para fazer uma ressonância magnética, que constatou a suspeita de um problema na ATM. Comecei o tratamento e a Dra. Lidia também investigou o problema de zumbido e a diminuição da audição.

Quando era pequeno cai e bati o queixo, mas meus pais não sabiam que isso poderia afetar a minha ATM.

Eu sofria muita dor de ouvido e dor de garganta. Já tinha até marcado uma cirurgia no ouvido, mas após 6 meses de tratamento não foi mais necessário fazê-la. Hoje estou bem, tenho uma boa audição e não tenho mais zumbido e dores de garganta. Estou feliz com este tratamento, graças a Deus e a Dra.Lidia Yavich.

42 DEPOIMENTO

Segue o depoimento do mesmo paciente 7 anos após a finalização do tratamento:

Hoje, mais de sete anos após o término de meu tratamento da ATM com a doutora Lidia, e graças aos dons concedidos por Deus a ela, não tenho mais sofrido com as dores de ouvido, nem com dores de garganta ou perda da audição. Antes, eu tive a indicação de  fazer uma operação no ouvido pois estava perdendo a audição e isso não foi necessário com o tratamento da ATM, pois durante o tratamento fui acompanhado com exames que comprovaram que a minha audição melhorou. Hoje vivo minha vida normal, sem problemas com essas coisas do passado. Agradeço muito ao tratamento feito pela doutora Lidia, que tem  curado e melhorado minha vida.

Tratamento Neuromuscular Fisiológico em Paciente com Cefaleia Diária e Dor nas Articulações Temporomandibulares. Caso Clínico sem Possibilidade de Recaptura Discal: primeira e segunda fase.

Seguidamente observo, especialmente em grupos de discussões sobre disfunção de ATM, o debate sobre etiologia e terapêuticas. Estes grupos são integrados por pacientes e profissionais e existem não só aqui no Brasil, mas em diversos países e comunidades do mundo. Espero que este espaço venha a acrescentar, aprofundar, ou esclarecer estas discussões.

O profissional que trata pacientes com patologia de ATM tem que ter em conta, no momento do estudo do caso clínico, quais as particularidades do paciente que está tratando. Identificar quais as estruturas anatômicas envolvidas no quadro que aflige o seu paciente, quais estruturas podem melhorar ou até sarar e quais as que não podem melhorar ou sarar é de extrema importância para todo o processo clínico . O profissional ainda tem que ter em conta o que não é possível prever.

 Reconhecer o que não sabemos é talvez mais importante que o reconhecimento do que sabemos e o esclarecimento disso para o paciente é fundamental.

Quando iniciamos o tratamento temos que ter claro o que podemos modificar no paciente ou o que podemos evitar que piore e também o que NÃO TEMOS CONDIÇÃO DE MODIFICAR.  O mais importante é perguntarmos se podemos melhorar a qualidade de vida do paciente.

1 FOTO FRONTAL

Paciente de sexo feminino se apresenta à consulta queixando-se de sofrer dor de cabeça todos os dias, também relata sofrer dor no pescoço e na nuca, dor em ambas as articulações temporomandibulares e forte dor nos ombros, sendo mais marcante do lado esquerdo.

2 FOTO PERFIL

A paciente refere sensação de ouvidos tampados e diminuição da audição, situação que foi comprovada por audiometria, onde refere limiares auditivos normais até 4KHZ e uma perda auditiva sensorioneural severa em 6 KHZ e moderada em 8 KHZ no ouvido direito.

O ouvido esquerdo apresenta limiares auditivos normais.

A paciente apresenta um zumbido no ouvido esquerdo, e ruídos estranhos.

3 DENTES INICIAIS

Oclusão habitual da paciente no dia da consulta. Observa-se a sobremordida da paciente.

A paciente refere que se acorda com dor nos dentes. Devido à apertamento dentário

4 OCLUSAIS INICIAIS

Vista oclusal superior e inferior da paciente antes do tratamento. Nota-se o desgaste dos dentes anteriores inferiores. A paciente refere que já fez reconstrução em resina dos dentes superiores anteriores, devido ao desgaste provocado pelo bruxismo.

5 PANORAMICA INICIAL

Radiografia panorâmica da paciente antes do tratamento. Ausência dos dentes 18,28,48.

Dente 38 em posição horizontal, impactado.

Reabsorção das cristas alveolares.

6 LAMINOGRAFIA INICIAL

Imagem radiográfica das articulações temporomandibulares direita e esquerda em boca aberta e boca fechada.  Aplainamento da superfície anterior superior e posterior superior do processo articular esquerdo.

7 TELEPERFIL

Radiografia lateral da paciente em oclusão habitual antes do tratamento. Retificação da coluna cervical.

8 FRONTAL

Radiografia frontal da paciente antes do tratamento.

9 C7

Radiografia lateral e da coluna cervical da paciente antes do tratamento. Retificação da coluna cervical.

10 abre e fecha inicial

Registro cineciográfico computadorizado da paciente antes do tratamento. Paciente sem restrição de abertura bucal. Velocidade de fechamento diminuída, gráfico típico de uma guia incisal que interfere na trajetória de fechamento.

11 RNM INICIAL DIREITA FECH

Cortes sagitais da ATM direita fechada. As cabeças mandibulares apresentam irregularidades e esclerose cortical e subcortical de aspecto degenerativo.

O disco articular direito apresenta dimensões reduzidas, alteração na intensidade de sinal e morfoestrutural de aspecto degenerativo, encontrando-se deslocado anteriormente.

11B RNM INICIAL aberta dir

Cortes sagitais da ATM direita em boca aberta.  O disco articular tem dimensões reduzidas, encontrando-se deslocado anteriormente, SEM REDUÇÃO NAS MANOBRAS DE BOCA ABERTA.

12 RNM INICIAL DIR FECH

Outro corte sagital mais interno da ATM direita em boca fechada mostrando as irregularidades da cortical óssea. Aspecto degenerativo. O disco articular tem dimensões reduzidas, encontrando-se deslocado anteriormente, SEM REDUÇÃO NAS MANOBRAS DE BOCA ABERTA.

12B RNM INICIAL aberta dir

Outro corte sagital mais interno da ATM direita em boca aberta. O disco articular tem dimensões reduzidas, encontrando-se deslocado anteriormente, SEM REDUÇÃO NAS MANOBRAS DE BOCA ABERTA.

14 RNM INICIAL esquerda

Cortes sagitais da ATM esquerda  fechada. Leve irregularidade de contornos com retificação do aspecto superior do côndilo mandibular. Disco articular apresenta dimensões reduzidas. Modificação do eixo do crescimento do côndilo mandibular por traumatismo na infância. O disco articular encontra-se  deslocado anteriormente, COM REDUÇÃO NAS MANOBRAS DE BOCA ABERTA.

14B RNM INICIAL esquerda aberta

Cortes sagitais da ATM esquerda aberta. O DISCO REDUZ NA POSIÇÃO DE BOCA ABERTA. 

15 frontais iniciais

Cortes frontais das articulações temporomandibulares direita e esquerda em boca fechada. No lado direito observa-se a descontinuidade da cortical já registrada nos cortes sagitais do mesmo lado . O lado esquerdo apresenta um desvio discal medial.

16 REGISTRO INICIAL

Os músculos mastigatórios da paciente foram eletronicamente desprogramados e um DIO (dispositivo intraoral) foi construído em posição neurofisiológica. Em outras publicações mencionamos os métodos cineciográficos computadorizados utilizados.

Quando estudamos oclusão a maioria das vezes não medimos objetivamente se o espaço livre inter-oclusal é sadio ou patológico. Neste caso o espaço livre patológico da paciente é de quase 7,4 mm

16A ortese inicial so frontal

Com esses dados e SEMPRE COM AS INFORMAÇÕES DAS IMAGENS OBTIDAS NA RNM, construímos um DIO (dispositivo intraoral) para manter tridimensionalmente a posição registrada.

Um ano após o começo do tratamento neurofisiológico, a paciente teve que interromper o mesmo para se submeter a uma cirurgia de coluna.

 A paciente retornou 10 meses após a pausa, já recuperada da intervenção. Em seu retorno, ela foi novamente documentada para avaliar qualquer modificação que pudesse ter acontecido durante o intervalo, levando em consideração que ela acabara de passar por uma cirurgia na coluna.

17 FOTO frontal reinicio de tratamento 1

Imagens posturais frontais comparativas: antes do tratamento e no recomeço da terapêutica após a cirurgia da coluna.

18 FOTO PERFIL reinicio de tratamento 2

Imagens posturais  comparativas de perfil: antes do tratamento e no recomeço da terapêutica após a cirurgia da coluna.

19 ORTESE REINICIO DE TRATAMENTO

Os músculos mastigatórios da paciente foram NOVAMENTE desprogramados eletronicamente e um NOVO DIO (dispositivo intraoral) foi construído em posição neurofisiológica.

20 PANORAMICA COM ORTESE

Radiografia panorâmica da paciente com o DIO construído em posição neurofisiológica.

21 LAMINOGRAFIA COM ORTESE

Laminografia das articulações temporomandibulares direita e esquerda da paciente em boca aberta e boca fechada com o DIO construído em posição neurofisiológica.

22 TELEPERFIL COM ORTESE

Radiografia lateral da paciente com o DIO construído em posição neurofisiológica.

23 C7 COM ORTESE

Radiografia lateral e da coluna cervical da paciente com o DIO construído em posição neurofisiológica.

ANÁLISE DA PACIENTE NESTE ESTAGIO DO TRATAMENTO. 

Paciente com processos degenerativos não só nas articulações temporomandibulares como também na coluna cervical e na coluna lombar o que a levou a uma cirurgia.

Impossibilidade de recaptura do disco da ATM direita. Pelo qual este é um objetivo que nem foi tido em conta.

Remissão da sintomatologia, e melhora da qualidade de vida.

Postura mandibular fisiológica, e recuperação do espaço livre interoclusal a traves do DIO. (dispositivo intraoral). 

Neste caso clínico específico onde NÃO HAVIA POSSIBILIDADE DE RECAPTURA DISCAL, (CONDIÇÃO ENUNCIADA NO DIAGNÓSTICO)  a paciente PÔDE PASSAR para uma SEGUNDA FASE, sempre tendo em conta que devemos proteger a articulação durante a noite e durante atividade física.

Cada caso é único e a decisão de passar a uma segunda fase também precisa de um estudo individualizado.

Foi decidido iniciar a SEGUNDA FASE do tratamento para retirar o DIO (dispositivo intraoral), mantendo a oclusão neurofisiológica.

26 orto 1

Para isso utilizamos uma ortodontia tridimensional, onde os dentes são erupcionados para a nova posição neurofisiológica.

27 orto 2

Na segunda fase, neste caso com a ortodontia tridimensional a paciente é monitorada e desprogramada eletronicamente; Muitas vezes o dispositivo é recalibrado e ou trocado para manter a posição obtida na primeira fase.

28 orto 3

Na segunda fase, neste caso com a ortodontia tridimensional, a paciente é monitorada e desprogramada eletronicamente. Muitas vezes o dispositivo é recalibrado e/ou trocado para manter a posição obtida na primeira fase. Nesta sequência a paciente ainda está com o DIO (dispositivo intraoral) em boca.

29 retirada da ortese

Retirada do DIO (dispositivo intraoral) 

30 orto final

Finalização da segunda fase do tratamento neurofisiológico neste caso com uma ortodontia tridimensional. Entendesse como segunda fase a ortodontia tridimensional, os procedimentos restauradores e protéticos de acordo com cada caso clínico, com o objetivo de retirar o DIO, mantendo a posição neurofisiológica obtida na primeira fase.

31 oclusais finais

Vista oclusal superior e inferior da paciente após a finalização da ortodontia tridimensional.

32 LAMINOGRAFIA final

Laminografia das articulações temporomandibulares direita e esquerda em boca aberta e boca fechada em oclusão neurofisiológica na finalização do tratamento.

33 panoramica  final

Radiografia panorâmica da paciente em oclusão neurofisiológica na finalização do tratamento.  Foi realizada a extração do dente 38 que estava em posição horizontal e impactado.

34 TELEPERFIL final

Radiografia lateral da paciente em oclusão neurofisiológica na finalização da segunda fase do tratamento neurofisiológico.

NOVA RESSONANCIAS FINAIS

RNM das articulações temporomandibulares após a finalização da segunda fase.

Devemos lembrar que se trata de uma paciente com processos degenerativos e com impossibilidade de recaptura do disco da ATM direita. No lado esquerdo o disco está  tão danificado que não cumpre mais a sua função.

A paciente já não apresenta sintomatologia.

A ressonância final não apresenta agravamento da situação.

No corte frontal o côndilo mandibular apresenta uma melhoria na localização tridimensional como também na  cortical.

36 B radiog laterais comparativas menor

Radiografias laterais comparativas da paciente: no inicio do tratamento em oclusão habitual, durante o tratamento com o DIO (dispositivo intraoral) em oclusão neurofisiológica e após a finalização da ortodontia tridimensional em oclusão neurofisiológica. 

35 registro COMPARATIVOS

Registros comparativos da posição neurofisiológica de repouso mandibular no inicio do tratamento para a construção do DIO (dispositivo intraoral), e ao final da segunda fase do tratamento (ortodontia tridimensional) para construir um DIO (dispositivo intraoral) de uso noturno.

Notasse que no inicio do tratamento a paciente apresentava um espaço interoclusal patológico de 7,4 mm e no registro para o DIO  noturno a paciente apresenta 3,3 mm de espaço livre interoclusal.

 Temos que ter em conta que o espaço livre interoclusal É UM ESPAÇO TRIDIMENSIONAL,  NAS DIFERENÇAS ESTRUTURAIS ARTICULARES ESTE ESPAÇO NÃO É IGUAL NO LADO DIREITO E NO LADO ESQUERDO.

35 iimagens comparativas de perfil

Imagens  posturais comparativas de perfil da paciente: no inicio do tratamento em oclusão habitual, durante o tratamento após a interrupção pela cirurgia da coluna com o DIO (dispositivo intraoral) em oclusão neurofisiológica e após a finalização da ortodontia tridimensional em oclusão neurofisiológica. 

36 iimagens comparativas frontais

Imagens frontais posturais comparativas da paciente: no inicio do tratamento em oclusão habitual, durante o tratamento após a interrupção pela cirurgia da coluna com o DIO (dispositivo intraoral) em oclusão neurofisiológica e após a finalização da ortodontia tridimensional em oclusão neurofisiológica. 

37 DEPOIMENTO

Eu já tinha consultado vários especialistas, como Otorrinos, Dentistas e Cirurgiões Buco-faciais, porém não tive nenhum sucesso. Foi quando procurei a Dra. Lidia e relatei os seguintes sintomas.

Acordava todos os dias com muita dor do lado esquerdo, tanto na cabeça quanto no pescoço e chegava a ficar com rigidez no pescoço e no ombro. Nessa mesma época eu tinha que tomar analgésico todos os dias pela manhã. Sofria também de um sério problema de bruxismo onde cheguei a desgastar os dentes da frente, na parte superior e inferior, tendo que recapá-los e sentia muita dor de tanta pressão que fazia neles. Outro sintoma era uma sensibilidade muito grande nos dentes quando tomava líquidos gelados. Meus ouvidos pareciam estar sempre  tampados de modo que estava com a minha audição diminuída, ouvia  também um barulho, principalmente do lado esquerdo, parecendo um apito contínuo.

38 DEPOIMENTO

Também comentei à doutora que quando criança havia levado uma tijolada na cabeça, numa brincadeira de criança.

Após relatar tudo isso, ela me pediu vários exames e fez vários deles no consultório e finalmente me informou que eu estava com problema na ATM. Comecei o tratamento com ela em 2011. Passei a usar uma placa de acrílico nos dentes inferiores, dia e noite, sem tirar, tirando somente para a higiene da mesma.

A dor que tanto sentia foi diminuindo e em pouco tempo não a sentia mais.

A Dra. foi ajustando a ortose  mensalmente, fazendo exames em seu consultório até que ficasse na altura ideal. No ano seguinte que comecei o tratamento tive que interrompe-lo de 8 a 10 meses, pois tive que me submeter a uma cirurgia de coluna, mas retomei o tratamento assim que fiquei boa. Permaneci em tratamento por mais 1 ano e depois comecei a segunda parte do tratamento com aparelho fixo.

39 DEPOIMENTO

Quando concluí o tratamento não precisei mais usar o aparelho fixo e nem a ortose em período integral. Hoje preciso usar a ortose somente para fazer atividades físicas e para dormir. Nunca mais senti as dores horríveis que sentia ou a sensação de ter os ouvidos trancados e o barulho felizmente diminuiu. Hoje estou muito feliz por não precisar mais tomar analgésicos diários e por não sentir dor. Fico muito grata a Dra. por ter descoberto e solucionado o meu problema.

evento setembro2

Para os colegas interessados  nesta capacitação o curso começa o dia primeiro de Setembro.
Informações por email:  lidiayavich@gmail   ou  lidiayavich@clinicamy.com.br
+55 5130612237    +55 5133322124

 

 

Reversão da Alteração da Medular Óssea em um caso de Necrose Avascular da cabeça mandibular. Acompanhamento de dois anos após o tratamento.

FRONTAL COMPARATIVAS ESQUERDA 2016.jpgPreparando-me para uma nova publicação da página de estudos e investigação da ATM

recebi a nova RNM (ressonância nuclear magnética )  que tinha solicitado para a paciente apresentada no  último caso clinico publicado.

Achei prioritário a publicação deste controle, antes de publicar o próximo caso clínico.

Relembrando a situação clínica e as imagens da paciente após o tratamento:

A paciente , já tinha remissão da sintomatologia.

A paciente tinha melhorado a função e recuperado a dimensão vertical.

A paciente tinha melhorado a parte estética ( recuperando a dimensão vertical)

A paciente tinha recuperado a abertura sem apresentar limitação da excursão como apresentava antes do tratamento.

 A paciente tinha melhorado a sua postura.

É importante ressaltar que neste caso, com discos de tamanho reduzidos e luxados anteriormente SEM REDUÇAO nas manobras de boca aberta, o objetivo era só descomprimir, recuperar a dimensão vertical, e esperar a recuperação do sinal medular por descompressão, lembrando que toda a investigação bacteriológica e reumatologia foi negativa.

 Ao finalizar o tratamento a RNM  ( ressonância nuclear magnética ) da paciente mostrava UMA MELHORA NO SINAL MEDULAR , ainda assim, longe da recuperação satisfatória em termos de imagem, MESMO TENDO EM CONTA a melhora da parte clínica.

Esta publicação terá ênfase nas imagens, ferramenta fundamental para comprovar o que realmente podemos conseguir além da melhora clínica do paciente.

Entender as mudanças positivas ou negativas nas estruturas afetadas nas patologias da articulação temporomandibular é fundamental na compreensão da etiologia que provocou a deterioração das estruturas do paciente e consequentemente a sintomatologia que afeta a qualidade de vida dos nossos pacientes.

LEMBRANDO QUE ISTO IMPLICA UM DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ÚNICO PARA CADA CASO CLÍNICO.

Postarei a seguir algumas das imagens da RNM ( ressonância nuclear magnética) INICIAIS RELEVANTES . Para rever o caso clínico em detalhe entrar neste link.

 12 RNM DIREITA INICIAL

RNM: corte sagital da ATM direita em boca fechada. Existe uma irregularidade de contornos com redução do aspecto superior do côndilo mandibular, que esta anterovertido. Existe um pequeno osteofito anterior.

O disco articular encontra-se deslocado anteriormente, SEM REDUÇÃO nas manobras de boca aberta.

PRESENÇA DE CISTOS ÓSSEOS SUBCORTICAIS no aspecto  ântero-superior do côndilo mandibular.

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior.

13 RNM  ESQ  INICIAL

RNM: corte sagital da ATM esquerda em boca fechada. Existe uma importante irregularidade de contornos da porção superior do côndilo mandibular, com formação de osteofito anterior.

Existe uma retificação da eminencia articular.

O disco tem dimensões reduzidas encontrando-se deslocado anteriormente SEM REDUÇÃO  nas manobras em boca aberta.

PODE SE OBSERVAR UM IMPORTANTE HIPOSSINAL COMPATÍVEL COM NECROSE AVASCULAR.

Osteonecrose da cabeça da mandíbula corresponde à morte do tecido ósseo, também chamada de necrose avascular. 

A alteração na medular óssea do côndilo mandibular é uma possível fonte de dor da ATM.

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior.

13A RNM  ESQ  INICIAL

RNM: outro corte sagital da ATM esquerda em boca fechada. Existe uma importante irregularidade de contornos da porção superior do côndilo mandibular, com formação de osteofito anterior.

Existe uma retificação da eminencia articular.

O disco tem dimensões reduzidas encontrando-se deslocado anteriormente SEM REDUÇÃO  nas manobras em boca aberta.

PODE SE OBSERVAR UM IMPORTANTE HIPOSSINAL COMPATÍVEL COM NECROSE AVASCULAR.

Osteonecrose da cabeça da mandíbula corresponde à morte do tecido ósseo, também chamada de necrose avascular. 

A alteração na medular óssea do côndilo mandibular é uma possível fonte de dor da ATM.

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior.

16A  ESQ boca fechada 2013 T2

RNM: mesmo corte sagital da ATM esquerda fechada antes do tratamento em T2. 

Ressonância nuclear magnética em T2 mostrando claramente a EFUSÃO ARTICULAR.

O diagnóstico diferencial das efusões na ATM tem um amplo espectro como as efusões em outras articulações em outras regiões do esqueleto.

A RNM (ressonância nuclear magnética) pode nos proporcionar muitas informações e não apenas a posição do disco.

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior.

CORTE FRONTAL DA ATM ESQ INICIAL ANTES DO TRATAMENTO 2

RNM: corte frontal da ATM e esquerda fechada.

 Pode se observar UM IMPORTANTE HIPOSSINAL COMPATÍVEL COM NECROSE AVASCULAR.

A necrose avascular ocorre quando o fluxo de sangue para um osso é interrompido ou reduzido. Pode ser causada por várias condições, como lesão articular ou óssea, PRESSÃO NO INTERIOR DO OSSO e outras condições médicas.

O côndilo afetado por necrose avascular apresenta baixo sinal nas imagens ponderadas em T1 COMO RESULTADO DE ALTERAÇÕES EDEMATOSAS NO OSSO TRABECULAR.

Osteonecrose da cabeça da mandíbula corresponde à morte do tecido ósseo, também chamada de necrose avascular. 

A alteração na medular óssea do côndilo mandibular é uma possível fonte de dor da ATM.

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior.

 

CORTE FRONTAL DA ATM DIR INICIAL ANTES DO TRATAMENTO

RNM: corte frontal da ATM direita fechada. Lesão superior no côndilo mandibular do lado direito, já descrito no corte sagital do mesmo côndilo como cistos ósseos subcorticais.

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior.

Na última publicação FORAM INSERIDAS AS IMAGENS INICIAIS E AS IMAGENS APÓS TRATAMENTO.

NESTA PUBLICAÇÃO FORAM INSERIDAS AS IMAGENS COMPARATIVAS DEantes do tratamento, após o tratamento e DE DOIS ANOS DE ACOMPANHAMENTO APÓS o tratamento neurofisiológico.

FRONTAL COMPARATIVAS DIREITA 2016 MODIFICADO

 

Comparação das imagens frontais ponderadas em T1: antes do tratamento, após o tratamento e dois anos de acompanhamento após o tratamento neurofisiológico. 

 Podemos ver a melhora do sinal medular do côndilo esquerdo e a melhora da cortical óssea superior. A TERCEIRA IMAGEM NÃO APRESENTA VESTÍGIOS DA LESÃO SUBCORTICAL SUPERIOR.

FRONTAL COMPARATIVAS ESQUERDA 2016 MODIFICADO

 

Comparação das imagens frontais ponderadas em T1: antes do tratamento, após o tratamento e dois anos de acompanhamento após o tratamento neurofisiológico.

Podemos ver  a melhora do sinal medular do côndilo esquerdo na imagem central e a RECUPERAÇÃO DA MEDULAR ÓSSEA NA TERCEIRA IMAGEM.

O CÔNDILO MANDIBULAR APRESENTA UM SINAL SADIO DA MEDULAR ÓSSEA.

RESS COMP DIREITAS SAGITAL 2016 modificado

Comparação das imagens  sagitais da ATM esquerda fechada ponderadas em T1: Antes do tratamento, após o tratamento e dois anos de acompanhamento após o tratamento neurofisiológico.

Podemos ver a melhora do sinal medular e da cortical óssea. AUSÊNCIA DOS CISTOS ÓSSEOS SUBCORTICAIS  no aspecto ântero-superior do côndilo mandibular OBSERVADAS NA PRIMEIRA IMAGEM. Melhora da cortical óssea da cabeça mandibular.

sagitais comparativas T2 modificado

 

Comparação das imagens ponderadas em T2: antes do tratamento, após o tratamento e dois anos de acompanhamento após o tratamento neurofisiológico.

É nítido na primeira imagem  o sinal inflamatório. Na imagem central temos a melhora do sinal intramedular e a remissão do derrame posterior. NA TERCEIRA IMAGEM REMISSÃO TOTAL DO SINAL INFLAMATÓRIO.

A paciente NÃO FEZ USO DE NENHUM MEDICAMENTO ANTI-INFLAMATÓRIO.

RESS COMP SAGITAL ESQ 2016 MODIFICADO

 

Comparação das imagens ponderadas em T1: antes do tratamento, após o tratamento e dois anos de acompanhamento após o tratamento neurofisiológico.

Podemos ver a melhora do sinal medular na imagem após o tratamento, na terceira imagem A TOTAL RECUPERAÇÃO DO SINAL MEDULAR.  Medular óssea com sinal sadio.

FINAL modificado

 

Todas as imagens que considerei relevantes  foram postadas, ainda assim acho importante destacar ESTA IMAGEM FRONTAL COMPARATIVA da ATM direita pela EVIDENCIA DO SINAL MEDULAR.

A primeira imagem antes do tratamento e a segunda, dois anos de acompanhamento após tratamento. RECUPERAÇÃO DA MEDULAR COM NECROSE AVASCULAR EM UMA MEDULAR SADIA.

Lembrar que a  necrose avascular ocorre quando o fluxo de sangue para um osso é interrompido ou reduzido. Pode ser causada por várias condições, como lesão articular ou óssea, PRESSÃO NO INTERIOR DO OSSO e outras condições médicas.

O diagnóstico diferencial da alteração da intensidade do sinal do côndilo mandibular COMEÇA COM O CONHECIMENTO DAS CARACTERÍSTICAS NORMAIS DO SINAL DA MEDULAR ÓSSEA. 

FINAL modificado 1

Cortes sagitais e frontais comparativos das ATMs ( articulações temporomandibulares) direita e esquerda em boca fechada . Antes do tratamento e após dois anos da finalização do tratamento.

finale finale

Para relembrar  detalhadamente todas as imagens e descrição do caso clínico o leitor deve voltar ao post anterior. Na publicação anterior NÃO foram postadas as imagens de controle após dois anos de tratamento.

Com a aplicação de técnicas de diagnóstico avançadas como a RNM, as alterações do sinal medular do côndilo mandibular podem ser detectadas, semelhantes às alterações de sinal observadas na cabeça femoral com osteonecrose.

A detecção de alterações como efusão articular e a modificação do sinal da medular óssea constituem informações importantíssimas antes do tratamento.

O conhecimento do que realmente conseguimos na imagem após os nossos tratamentos, além da melhora clínica da paciente é substancial.

Neste caso, mostrando na imagem a recuperação do sinal medular com o correto reposicionamento e descompressão mandibular.

Patologias da ATM em Crianças e Adolescentes o Diagnóstico Esquecido

Este trabalho que está sendo apresentado neste post ganhou o terceiro lugar na apresentação de mesas clinicas no congresso da IAO (International Association for Orthodontics) April 2012, com o título – TMJ Pathologies in Children and Teenagers, the Overlooked Diagnosis. Patologias da ATM em crianças e adolescentes, o Diagnóstico Esquecido.

Nesse congresso apresentei uma conferência mais extensa sobre o mesmo tema.

Apresentei este trabalho em um congresso que reúne ortodontistas e ortopedistas de vários lugares do mundo. A intenção foi a de alerta-los sobre as patologias da ATM em crianças e adolescentes, porque independente da facilidade e simplicidade aparente de certos casos que se apresentam em nossas clínicas, a ATM pode estar comprometida. A avaliação da  ATM e o diagnóstico das suas patologias devem ser uma parte inseparável dos nossos procedimentos, não só na ortodontia e ortopedia mas em todas as áreas da odontologia.

Tenho apresentado nesta página diversos casos com a primeira e a segunda fase completas.

Nesta publicação VOU APRESENTAR SÓ A PRIMEIRA FASE como foi apresentada na mesa clínica e na conferência.

A paciente hoje em dia está em uma etapa avançada da segunda fase.

O IMPORTANTE NESTA PUBLICAÇÃO SÃO AS DIFERENÇAS ESTRUTURAIS CONSEGUIDAS NESTA PRIMEIRA FASE.

1Paciente, sexo feminino de 14 anos de idade se apresenta na consulta com queixa de dor nos dentes inferiores, dor nos ombros e estalos na ATM, do lado esquerdo.

A correção estética é um fator de importância para a paciente, mas a preocupação com a dor nos dentes inferiores  e o ruído gerado pelo estalo também constituem uma parte importante no relato da paciente e da mãe.

2 dentes

A oclusão da paciente nos sugere um caso sem maior dificuldade, um caso simples.

Neste caso seria muito fácil avaliar e diagnosticar rapidamente a necessidade de uma expansão superior para a acomodação e avanço da mandíbula e posteriormente resolver a deficiência vertical.

3 oclusaisMuitas vezes quando analisamos um caso para correção ortodôntica, podemos listar os possíveis fatores etiológicos que levaram o paciente a esse estado.

Quando avaliamos uma falha funcional precisamos ter em conta TODOS OS FATORES ETIOLÓGICOS ENVOLVIDOS NESSA DISFUNÇÃO.

4 panoramica Radiografia panorâmica inicial da paciente antes do tratamento.5 lateral cervical Radiografia lateral e da coluna cervical da paciente antes do tratamento.

Além da retificação da coluna cervical nota-se o inicio de uma inversão da curvatura fisiológica a partir de C4.

6 frontal Radiografia frontal inicial da paciente antes do tratamento.7 cefalometriaA cefalometria é uma parte importantíssima no diagnóstico e na correção dos casos, tanto na ortodontia como na ortopedia, MAS não é um exame para evidenciar patologia nas articulações temporomandibulares.

8 laminografia

A laminografia das articulações temporomandibulares em boca fechada e aberta é considerada como uma radiografia panorâmica das articulações temporomandibulares.

A laminografia das articulações temporomandibulares não pode ser comparada com uma tomografia computadorizada das articulações temporomandibulares, mas é um exame básico para uma primeira informação das articulações temporomandibulares.

8 laminografia corNesta mesma imagem com destaque de cor podemos apreciar a retroposição da ATM do lado esquerdo, a mudança do eixo de crescimento deste mesmo lado e a perda de espaço articular em ambos os lados.

A paciente relata um traumatismo quando pequena: “bati brincando no criado mudo no pescoço perto do mento”.

9 ampliação laminografia Ampliação da imagem da laminografia com realce de cor.Boca fechada, lado direito e esquerdo.10 ampliação laminografia Esta imagem ampliada das articulações temporomandibulares em boca fechada, direita e esquerda NÃO  MOSTRA O ESTADO DO DISCO ARTICULAR NEM DOS LIGAMENTOS. 11 ressonancia 12 ressonancia Quando o paciente vai ao consultório com algum tipo de disfunção, o tratamento do profissional deveria estar direcionado para o restabelecimento da função normal, quando possível.

Para saber o que é função normal, devemos entender que A ANATOMIA É A PLATAFORMA ONDE A FISIOLOGIA ATUA.

13 ressonancia  É necessário conhecer a anatomia funcional de qualquer parte de nosso organismo para entender a fisiopatologia de qualquer parte de nosso organismo.

14 ressonancia

RNM da ATM esquerda boca fechada da paciente antes do tratamento

RNM da ATM esquerda boca fechada da paciente antes do tratamento:

Leve irregularidade da cortical óssea da cabeça da mandíbula.

O disco articular encontra-se luxado anteriormente.

LEMBRAR: ESTA É A ATM de uma adolescente de 14 anos de idade.

Não apresentava crepitações NEM DOR NA ATM, só um estalo.

Tenho lido diferentes opiniões de colegas expressando que o conhecimento da informação da imagem não modificaria em nada a conduta a ser seguida no tratamento. 

15 ressonancia

RNM da ATM esquerda boca fechada da paciente antes do tratamento

Outro corte da mesma RNM:

RNM da ATM esquerda boca fechada da paciente antes do tratamento:

Leve irregularidade da cortical óssea da cabeça da mandíbula.

O disco articular encontra-se luxado anteriormente.

LEMBRAR: ESTA É A ATM de uma adolescente de 14 anos de idade.

Não apresentava crepitações, NEM DOR NA ATM, só um estalo.

Tenho lido diferentes opiniões de colegas expressando que o conhecimento da informação da imagem não modificaria em nada a conduta a ser seguida no tratamento. 

16 ressonancia

RNM da ATM esquerda boca fechada da paciente antes do tratamento

Outro corte da mesma RNM:

RNM da ATM esquerda boca fechada da paciente antes do tratamento:

Leve irregularidade da cortical óssea da cabeça da mandíbula.

O disco articular encontra-se luxado anteriormente.

LEMBRAR: ESTA É A ATM de uma adolescente de 14 anos de idade.

Não apresentava crepitações NEM DOR NA ATM, só um estalo.

Tenho lido diferentes opiniões de colegas expressando que o conhecimento da informação da imagem não modificaria em nada a conduta a ser seguida no tratamento. 

19 ressonancia

RNM da ATM direita boca fechada da paciente antes do tratamento

RNM da ATM direita boca fechada da paciente antes do tratamento:

Aplainamento superior e osteófito marginal anterior.

O disco articular encontra-se luxado anteriormente.

LEMBRAR: ESTA É A ATM de uma adolescente de 14 anos de idade.

Não apresentava crepitações, NEM DOR NA ATM, só um estalo.

Tenho lido diferentes opiniões de colegas expressando que o conhecimento da informação da imagem não modificaria em nada a conduta a ser seguida no tratamento. 

20 ressonancia

RNM da ATM direita boca fechada da paciente antes do tratamento

Outro corte da mesma RNM

RNM da ATM direita boca fechada da paciente antes do tratamento:

Aplainamento superior e osteófito marginal anterior.

O disco articular encontra-se luxado anteriormente.

LEMBRAR: ESTA É A ATM de uma adolescente de 14 anos de idade.

Não apresentava crepitações NEM DOR NA ATM, só um estalo.

Tenho lido diferentes opiniões de colegas expressando que o conhecimento da informação da imagem não modificaria em nada a conduta a ser seguida no tratamento. 

21

Quando o paciente vai ao consultório com algum tipo de disfunção, o tratamento do profissional deveria estar direcionado para o restabelecimento da função normal.

Como poderia este profissional ter sucesso se não compreende o que é função normal?

Lembrar: A ANATOMIA É A PLATAFORMA ONDE A FISIOLOGIA ATUA.

Quando um paciente como este se apresenta com lesões, tanto nas corticais ósseas como no disco articular e seus ligamentos, A PERGUNTA DEVERIA SER: POSSO MELHORAR ESTA SITUAÇÃO?

Se a resposta for positiva é importante documentar de forma objetiva a melhora, para poder informar aos colegas, sempre ávidos por aprender e sem medo de mudar paradigmas. SE NÃO POSSO MELHORAR ESTA SITUAÇÃO, devido a diferentes etiologias  e as suas sequelas, devemos analisar se podemos melhorar a qualidade de vida do nosso paciente, e informa-lo  sobre as dificuldades e limitações de cada caso.

22

Lembrar que doenças sistêmicas, traumatismos, infecções, dano no sitio de crescimento, interrupção do equilíbrio muscular, podem exercer uma profunda influência no complexo craniofacial durante esta crítica fase de crescimento.

23 eletromiografia inicial Registro eletromiográfico dinâmico em oclusão habitual. Solicita-se ao paciente que abra a boca, feche a boca, morda forte e degluta. Neste registro podemos observar que a paciente não consegue manter a força na mordida, mesmo tendo sido instruída a fechar a boca e morder forte antes do comando de abertura. 24 registro magnetografico

Os músculos mastigatórios da paciente foram desprogramados eletronicamente e foi registrada uma mordida em posição de repouso neurofisiológico utilizando um magnetógrafo.

Lembrar que para registrar a mordida sempre devem ser tomadas em conta as informações obtidas nas imagens e os objetivos individualizados para cada caso clínico.

A paciente apresenta um espaço livre patológico de 4,3 mm e uma retroposição de 2,1 mm.

Este registro é tridimensional.

25 DIO

Com estes dados construímos um DIO (dispositivo intraoral). Este dispositivo deve ser testado electromiograficamente para representar a posição ideal dos músculos.

26 eletromiografia DIO Registro eletromiográfico dinâmico com o dispositivo intraoral em posição neurofisiológica. Neste registro podemos observar que a paciente consegue manter a força na mordida, aumentar a força dos masseteres e equilíbrar ambos digástricos.

27 ELETROS COMPARATIVAS Comparação dos registros eletromiográficos da paciente, o primeiro em oclusão habitual e o segundo com o dispositivo intraoral em posição neurofisiológica.28 perfil comparativasPostura em pé (postura ortostática)lateral direita, plano sagital:

Imagens comparativas posturais de perfil:

Melhora na  posição de antepulsão do tronco;

Melhora na rotação anterior do ombro;

Parece que as escapulas encontram-se planas, mais neutras;

Na primeira foto observa-se uma retificação da curvatura fisiológica cervical e na segunda foto um aumento da mesma;

Posição da cabeça mais equilibrada próxima do bom alinhamento do centro de gravidade onde os flexores do pescoço não parecem contraídos.

30 c7 comparativasComparação da radiografia lateral e da coluna cervical da paciente em oclusão habitual e em oclusão neurofisiológica.

Melhora no aumento da curva lordótica.  Aumento de espaços intervertebrais.31 comparativas do perfil Comparação das radiografias laterais com o perfil em oclusão habitual e em oclusão neurofisiológica.

Recuperação da altura facial inferior.32 lamino comparativasComparação das laminografias da ATM em oclusão habitual e em oclusão neurofisiológica.

Observar a descompressão das articulações temporomandibulares33 lamino comparativas COR Nesta mesma imagem com destaque de cor podemos apreciar melhor a descompressão das articulações temporomandibulares e compara-la com a imagem da laminografia em oclusão habitual.34 lamino comparativas COR AMPLIADAS

Ampliação da imagem comparativa das laminografias da ATM em oclusão habitual e em oclusão neurofisiológica. ATM direita e esquerda boca fechada.35 lamino comparativas COR AMPLIADAS PROVISORIAS

Ampliação da imagem da laminografia EM POSIÇÃO NEUROFISIOLÓGICA com realce de cor em boca fechada, lado direito e esquerdo.

Esta imagem, MESMO MOSTRANDO A DESCOMPRESSÃO ARTICULARNÃO COMPROVA SE RECAPTURAMOS O DISCO ARTICULAR, NEM COMPROVA SE MELHORAMOS AS CORTICAIS ÓSSEAS COM IRREGULARIDADES OBSERVADAS NA RNM INICIAL DA PACIENTE.

LEMBREMOS AS IMAGENS INICIAIS DA RNM

14 ressonancia

ATM Esquerda boca fechada antes do tratamento

Imagens comparativas após a primeira fase de tratamento.

36 RNM AFTER TREATMENT

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM esquerda boca fechada antes e após a primeira fase do tratamento.

Observar a boa relação entre a cabeça mandibular e o disco articular.

Observar a remodelação positiva da cortical óssea.

LEMBREMOS AS IMAGENS INICIAIS DA RNM

15 ressonancia

ATM esquerda boca fechada antes do tratamento.

Imagens comparativas após a primeira fase de tratamento.

39 RNM AFTER TREATMENT 2

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM esquerda boca fechada antes e após a primeira fase do tratamento.

Observar a boa relação entre a cabeça mandibular e o disco articular.

Observar a remodelação positiva da cortical óssea.

LEMBREMOS AS IMAGENS INICIAIS DA RNM

16 ressonancia

ATM esquerda boca fechada antes do tratamento.

Imagens comparativas após a primeira fase de tratamento.

40 RNM AFTER TREATMENT

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM esquerda boca fechada antes e após a primeira fase do tratamento.

Observar a boa relação entre a cabeça mandibular e o disco articular.

Observar a remodelação positiva da cortical óssea.

LEMBREMOS AS IMAGENS INICIAIS DA RNM

19 ressonancia

ATM direita boca fechada antes do tratamento.

Imagens comparativas após a primeira fase de tratamento.

42 RNM AFTER TREATMENT

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM direita boca fechada antes e após a primeira fase do tratamento.

Observar a boa relação entre a cabeça mandibular e o disco articular.

Observar a remodelação positiva da cortical óssea.

LEMBREMOS AS IMAGENS INICIAIS DA RNM

20 ressonancia

ATM direita boca fechada antes do tratamento.

Imagens comparativas após a primeira fase de tratamento.

44 RNM AFTER TREATMENT

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM direita boca fechada antes e após a primeira fase do tratamento.

Observar a boa relação entre a cabeça mandibular e o disco articular.

Observar a remodelação positiva da cortical óssea.

A paciente atualmente se encontra na segunda fase do tratamento

47 3 ATM DIREITA

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM direita boca fechada , após a primeira fase do tratamento e no controle da segunda fase do tratamento ainda não concluído.

Nesta imagem temos uma terceira RNM que não foi apresentada no Congresso da IAO.

As estruturas continuam melhorando.

47 3 ATM ESQUERDA

Comparação dos cortes sagitais da RNM da ATM esquerda boca fechada , após a primeira fase do tratamento e no controle da segunda fase do tratamento ainda não concluído.

Nesta imagem temos uma terceira RNM que não foi apresentada no Congresso da IAO.

As estruturas continuam melhorando.

A avaliação da  ATM e o diagnóstico das suas patologias devem ser uma parte inseparável dos nossos procedimentos, não só na ortodontia e ortopedia mas em todas as áreas da odontologia.

Temos que saber:

Existe patologia?

Se positivo, quais estruturas estão danificadas?

Como esta condição pode influenciar na função e no futuro da articulação do paciente?

Tenho possibilidade de dar ao meu paciente a condição para sarar as estruturas danificadas ou de melhora-las?

O ideal é levar essas estruturas o mais perto da função sadia, quando possível.

Isto SEMPRE é possível? CLARO QUE NÃO, mas quando possível, as estruturas devem ser reparadas.

Logicamente, o diagnóstico diferencial permite um prognóstico favorável ou não favorável, NÃO TODAS AS ARTROPATIAS PERMITIRÃO O RESULTADO OBTIDO NESTE CASO, MAS ISSO FAZ PARTE DO DIAGNÓSTICO INICIAL, que deve incluir todos os sistemas envolvidos.

Tratamento das Patologias da ATM: Paciente com fortes dores na região da face, pescoço e articulação temporomandibular. Primeira e segunda fase.

1Paciente de sexo feminino 31 anos de idade se apresenta na consulta relatando forte dor de cabeça, forte dor no temporal especialmente do lado esquerdo, dor no ouvido esquerdo e pressão no olho esquerdo.

Refere também forte dor na nuca, vertigem, e relata que sente na bochecha uma sensação como se fosse queimadura e também dor.

2  Relata também que tem rinite alérgica e sinusite, pelo qual já tinha feito vários tratamentos. Mas que nunca teve essas dores em relação com a rinite e a sinusite. 

Relata que tem bruxismo.

3 OCLUSAO INICIALA paciente refere que usou aparelho ortodôntico removível e também fixo dos 15 aos 18 anos. Refere um traumatismo no setor anterior pelo qual o incisivo fraturou a borda incisal, quando criança. (ver a publicação Modificações estruturais do processo condilar como uma das sequelas de traumatismo na infância)4 OCLUSAIS

Nota-se o desgaste dos incisivos superiores e inferiores.

Em relação ao inicio da dor, a paciente relata que seguidamente sentia muito cansaço nos músculos da face, já que era professora e falava muito dando aula.

Mas só cansaço e nunca tinha tido dores que estava sentindo agora.

O episodio que a paciente relata como desencadeante das dores foi  quando quebrou um dente simplesmente no meio da mastigação.

4 retrato

Depoimento da paciente

Quando quebrei o doente mastigando, fui a uma clínica de emergencia onde me fizeram um curativo.

Ao terminar o  tratamento de canal, saí do consultório com MUITA DOR.

Mas não era dor de dente, era muita dor na face, especialmente no músculo masseter.

Dias após começou uma dor alucinante no pescoço, dor no ouvido esquerdo e dor de cabeça.

Na época foi derivada para um profissional que fez ajustes oclusais e que instalou uma placa.

Eu joguei a placa fora  já que me queixava que a placa não só, não aliviava a dor, mais aumentava a minha dor.

A partir dai foi uma maratona de profissionais.

Quando a paciente terminou a última frase, a paciente olhou nos meus olhos e chorando perguntou:

Dra: a senhora acredita no que eu estou falando.

Respondi SIM, que acreditava no seu relato.

A paciente aumentou o choro e relatou que muitos dos profissionais, falavam que não tinha nada e que eram coisas da cabeça dela, stress!

4A PANORAMICA INICIAL

  A radiografia panorâmica da paciente mostra os canais endodonticamente tratados no primeiro molar superior do lado esquerdo (26). O molar que a paciente relatou ter fraturado e tratado).

Nota-se o terceiro molar inferior do lado direito (48)encontra-se angulado, e impactado na distal do segundo molar inferior do lado direito.

4B LAMINOGRAFIA INICIAL  Na laminografia das articulações temporomandibulares da paciente, observa-se angulação anterior dos processos articulares. Aplainamento da superfície superior e posterior de ambos os processos articulares, mais significativo no lado direito. 4C RADIOGRAFIA LATERAL INICIALRadiografia lateral da paciente4D LARGO DE PERNAS

Em certo momento foi solicitado para a paciente uma escanometria dos membros inferiores, já que se suspeitava de uma diferença de comprimento dos membros inferiores. No caso da paciente revelou ser só um encurtamento muscular, já que estruturalmente seus membros inferiores apresentavam a mesma medida.
5 abre e fecha 1  A cinesiologia computadorizada  analisa o traçado dos movimentos que a mandíbula realiza nos três sentidos do espaço. A paciente tem uma abertura de 30 mm o que já é considerado uma limitação. A paciente não apresenta uma boa velocidade na abertura e fechamento mandibular. Isso pode ser um indicador de alterações musculares, lesões intra-articulares ou discrepâncias dentomusculares.6 BASAL ANTES E APOS O DEMNesta eletromiografia basal os músculos mastigatórios estão em hiperatividade, após a desprogramação eletrônica, os músculos abaixaram os seus valores.

Uma eletromiografia com um valor mais baixo, após a relaxação eletrônica, para um músculo particular, é mais importante que o valor absoluto antes de ser pulsado.

7 MORDE FORTE ABRE ENGOLENesta eletromiografia dinâmica, a paciente morde forte duas vezes, abre a boca, fecha e deglute. Os músculos masseteres, que são os mais potentes do sistema estomatognático geram pouquíssima atividade em máxima oclusão. Já os temporais anteriores estão recrutando mais unidades motoras que os masseteres, o qual não é fisiológico em um sistema que funcione equilibradamente.8 HABITUAL E ROLOSNesta eletromiografia dinâmica a paciente morde em máxima intercuspidação habitual (A), em (B) com rolos de algodão entre as superfícies oclusais direita e esquerda onde a atividade melhora muito.

Toda modificação da posição da articulação leva a uma modificação do comprimento do músculo e, portanto da sua força. Os músculos que são encurtados ou alongados em aproximadamente 20 % apresentam o que se chama de insuficiência mecânica e uma potencia intrínseca diminuída (Macintosh, Valencia et al., 1986).
9 ressonancias iniciais

Na ressonância nuclear magnética observa-se angulação anterior dos processos articulares, aplainamento da superfície superior e posterior de ambos os processos articulares. Informação que tínhamos na laminografia.

Os discos articulares estão afilados o que implica estruturalmente um disco que nem sempre pode cumprir a função para o que um disco está desenhado. De tudo jeito é imperativo promover uma descompressão articular.

Lembrar como melhora a eletromiografia com a colocação dos rolos de algodão entre as superfícies oclusais.11A TOMA DE MORDIDA

Os músculos mastigatórios da paciente  foram desprogramados eletronicamente e foi registrada a posição de repouso com  um cineciógrafo computadorizado.

Este registro, foi muito difícil conseguir. A desprogramação da paciente foi complicada e difícil de conseguir, mesmo assim foi confeccionado um dispositivo muito fino para reposicionar a mandíbula que estava levemente posteriorizada.

Foi deixado um espaço interoclusal livre de um mm o que normalmente seria muito pouco (lembrar que o cineciógrafo computadorizado nos permite este tipo de medição)

Na tela podemos ler uma anotação que diz: (esta é a mordida que consegui), fiz questão de escrever isto no registro original, já que muitas vezes não conseguimos um bom registro na primeira vez e este foi um caso assim. Logicamente os registros vão modificando a medida que o sistema vai melhorando.

11B RECALNeste outro registro onde estamos recalibrando o dispositivo da paciente, podemos ver a coincidência da trajetória habitual com a trajetória neuromuscular. A  paciente consegue desprogramar melhor e podemos confeccionar um dispositivo melhor.12 ABRE FECHA ORTESE

Neste registro cineciográfico com o DIO (dispositivo intraoral) em posição neurofisiológica em boca podemos observar a melhora da abertura, do fechamento e da  velocidade.

Lembrar que a paciente não apresentava uma boa velocidade na abertura e fechamento mandibular, e uma trajetória de abertura mais vertical.

13 ABRE FECHA comparativas

Registros cineciográficos comparativos de abertura,fechamento e velocidade: em posição habitual antes do tratamento e com o DIO (dispositivo intraoral).
13B TOMA DE MORDIDA E RECALRegistros de posição de repouso comparativos : antes do tratamento e registro recalibrando o DIO (dispositivo intraoral). Na recalibração já podemos observar a coincidência da trajetória habitual com a trajetória neuromuscular.

14 PANORAMICA ANTES DA ORTO

Foi realizada a primeira fase (tratamento da patologia da ATM), com os controles e recalibrações necessários para optimizar a posição mandibular, conjuntamente neste caso com fisioterapia para equilibrar as cadeias posturais.

No pedido da radiografia panorâmica antes de passar para segunda fase, neste caso (ortodontia tridimensional) pode se observar a erupção do terceiro molar inferior direito que estava impactado na distal do segundo molar inferior do lado direito. ( paciente de 31 anos de idade).

Nesta etapa só foi liberado o acrílico do DIO da região do terceiro impactado, devolvendo a dimensão vertical da paciente e permitindo a erupção da peça dentaria.15 PANORAMICAS COMPARATIVAS

Comparação da radiografia panorâmica pré-tratamento e após a primeira fase com o DIO (dispositivo intraoral) instalado em posição neurofisiológica.

Neste momento se inicia uma ortodontia tridimensional para a retirada do DIO.

Esta Ortodontia como já foi explicado em publicações anteriores (ver a publicação Ortodontia Tridimensional na Segunda Fase dos Tratamentos das patologias da Articulação Temporomandibular), deve manter sempre a localização mandibular em equilíbrio com os planos musculares, articulação temporomandibular e planos dentários conseguidos na primeira fase do tratamento.

Para isso temos ferramentas como a eletromiografia de superfície e a desprogramação mandibular que nos ajudam a controlar o funcionamento do sistema.

Serão mostradas poucas sequencias ate a retirada total do DIO (dispositivo intraoral)

16 orto 0 1 Erupção ativa dos segmentos laterais, já em uma etapa mais avançada. Os dentes estão preenchendo o espaço antes ocupado pelo DIO.
18 PANORAMICA CONTROLE  ORTO

Radiografia panorâmica de controle da erupção ativa. Corresponde a sequencia mostrada na imagem anterior.
19 orto 0 1BContinuação do tratamento na ortodontia tridimensional. Imagem com e sem o dispositivo, o setor posterior já esta erupcionado.20 orto 2

Continuação do tratamento na ortodontia tridimensional. 
21 oclusao final

Posteriormente foi feito o alinhamento do setor incisivo superior e a restauração com resina da parte fraturada. Alinhamento do setor incisivo inferior e finalização da ortodontia tridimensional após o tratamento da ATM.

22 OCLUSAIS FINal  Finalização da ortodontia tridimensional.22A eletromiografia final 22A Registro eletromiográfico dinâmico da paciente após o tratamento.22B eletromiografia COMPARATIVAComparação dos registros eletromiográficos da paciente antes e após o tratamento. Podemos analisar o equilíbrio e funcionamento dos masseteres, o que não acontecia no registro inicial.

23 ABRE FECHA APOS O TRATAMENTO 2Registro cineciográfico de abertura,fechamento e velocidade na finalização do tratamento.

23 B abertura e fechamento comparativas

Registros cineciográficos comparativos de abertura,fechamento e velocidade: em posição habitual antes do tratamento, com o DIO (dispositivo intraoral) e na finalização do tratamento.

24 LAMINOGRAFIAfinal L

Laminografia da paciente em oclusão neurofisiológica na finalização do tratamento.25 LAMINOGRAFIAS COMPARATIVAS

Laminografias comparativas da paciente: em oclusão habitual antes do tratamento e em oclusão neurofisiológica na finalização do tratamento.

Deve ser compreendido que a posição mandibular escolhida é aquela onde as articulações estejam descomprimidas e os músculos consigam recrutar mais unidades motoras, para isso utilizamos a desprogramação eletrônica mandibular. O registro também depende das informações obtidas nas imagens.

25B res. comparativas

RNM (ressonância nuclear magnética) comparativas da paciente em oclusão habitual antes do tratamento e em oclusão neurofisiológica na finalização do tratamento.

Deve ser compreendido que a posição mandibular escolhida é aquela onde as articulações estejam descomprimidas e os músculos consigam recrutar mais unidades motoras, para isso utilizamos a desprogramação eletrônica mandibular.

O registro TAMBÉM DEPENDE das informações obtidas nas imagens. A RNM também proporciona informação que deve ser tida em conta no momento da decisão da posição mandibular, enriquecendo os dados proporcionados pelo cineciografo computadorizado: qual e o tipo de disco, posicionamento do mesmo, possibilidade ou não de recaptura entre outras.

26 panoramica final L  Radiografia panorâmica da paciente após a finalização da segunda fase, neste caso a ortodontia tridimensional.26B panoramica COMPARATIVAS

Radiografias panorâmicas da paciente comparativas: 1 antes do tratamento, 2 durante a primeira fase, 3 durante a ortodontia tridimensional, 4 após a finalização da ortodontia tridimensional.

27 fase frontalImagem comparativa frontal da paciente antes e após o tratamento.

28 fase perfil

Imagem comparativa de perfil da paciente antes e após o tratamento.29

Depoimento da paciente

Lembro muito bem quando tudo começou.

Primeiro sentia um cansaço enorme na boca e nos músculos da face. Estava muito estressada, dava aula e falava muito.

Quebrei um  dente, ai…..o que fazer…procurei  um  dentista  de emergência e este fez um curativo.

Indicaram-me uma dentista e tive que fazer um canal, sai do consultório com muita dor, (uma dor de cabeça incrível, alucinante, dor de ouvido).

Começei a perder peso, EU SENTIA  MAL ESTAR, FALTA DE  ANIMO, meu músculo da face, o masseter  parecia que fazia halterofilismo, que forte e robusto, mas doía, parecia que tinha 200k no meu rosto, meu pescoço não fazia parte do meu corpo que dor insuportável, rejeição total,  que falta de vontade de viver)… Meu corpo passou a doer inteiro, ate fibromialgia diziam que eu tinha uma perna menor que a outra e mais e mais problemas… Resumindo, eu era uma bomba relógio de tanto problema que diziam que eu tinha… (Sentia-me assim…).

A partir dai foi uma maratona de profissionais.

Placa de Michigan, fisioterapia INTENSIVA, quiropraxia, shiatsu, terapia, DOIM… RUIMM KKKKKKK….. Ate mãe de santo eu fui buscar e nada. hahahah

DAI fui me consultar com uma pessoinha  IMPAR  na minha DOIDA vida!   Dra. Lídia!!!

Melhorou ….. Nâoooooo. A batalha aumentou!!!!!!!!   KKKKKKKKK

Exames, ressonâncias, que  sofrência !!!!!

E desde esse dia passaram cinco anos ate que minha vida voltasse ao normal… Normal com ou sem dor; SEM NENHUMA DOR!

Mas para isso muitas águas rolaram!

RESULTADO,  DEPOIS DE MUITAS IDAS AO CONSULTÓRIO,  LEMBRO MUITO DE ATENDIMENTO EM  UM DOMINGO DE COPA DO MUNDO ONDE O  BRASIL  FOI CAMPEÃO E ESSA ALMA CARIDOSA, HHAHAH, ME ATENDEU.

QUANTA DOR, QUANTO DESESPERO MAS TAMBÉM QUANTA VONTADE DE ME CURAR  ELA TINHA!

FOI DUREZA…..

MAS CONSEGUIMOS, MEU CISO ESTAVA COMPLETAMENTE SEM JUIZO RESOLVEU BROTAR DEPOIS DOS 30 ANOS.

EU DIZIA QUE MEUS DENTES ERAM DUAS TORCIDAS DE TIME DE FUTEBOL QUE NÃO SE ENCAIXAVAM , PALMEIRAS E CORINTHIANS, VIVIAM EM BRIGA ETERNA !!!

MAS DEPOIS DA TEMPESTADE…….

MEUS PROBLEMAS COMECARAM A SER RESOLVIDOS!

HOJE TENHO UM SORRISO LARGO GRACAS A  DRA E STA LIDIA,HAHAHA, REZO TODO DIA PARA ELA!! HAHAHAHHA

Recaptura do Disco Articular: paciente com significativa assimetria das cabeças mandibulares e deslocamento redutível unilateral.Caso clínico

Fatores etiológicos diferentes como trauma, doenças sistêmicas e locais, doenças autoimunes e oclusão podem criar condições para o deslocamento do disco articular. Na publicação do dia 22 de fevereiro de 2015 intitulada: Deslocamento anterior do disco articular com redução. Recapturar ou não recapturar, eis a questão foram comentadas as razoes pelas quais é importante recapturar discos deslocados quando o caso clínico o permite. Temos que entender que recuperar os elementos anatômicos articulares para uma posição fisiológica e sadia é  SEMPRE VALIOSO. Lembrar que a anatomia é a plataforma onde a fisiologia atua.

1 ERALDO

Paciente masculino de 33 anos de idade se apresenta na consulta relatando fortes dores nos temporais, dor no pescoço, dor facial inespecífica, dor nos ombros, zumbidos e relata também que vem sentindo adormecimento e formigamento nas mãos.

O paciente também se queixa de estalos na articulação temporomandibular do lado esquerdo. Relata sensação de diminuição auditiva, mesmo que a audiometria apresenta-se dentro dos valores normais.

2 ERALDO

Refere tremores musculares na região das bochechas, e dificuldade constante para abrir a boca.

O paciente não apresenta limitação na abertura bucal, mas para abrir desvia a mandíbula para o lado esquerdo.

Sente dor para mastigar alimentos duros, e refere que só consegue se alimentar com alimentos moles.

Relata que qualquer refeição implica esforço e não uma atividade agradável, mesmo com alimentos que ele gosta.

Refere bruxismo e apertamento dentário. Diz que sente também dificuldade para deglutir.

3 ERALDO

O paciente apresenta um perfil retrusivo, mas isso NÃO FOI O MOTIVO DA CONSULTA, o paciente não estava preocupado pela estética, mas sim com A DOR. Testemunho do paciente: Quando estava em formação para ouvir o seminário de formatura da Policia Militar (com a ordem de não mexer nem falar) fiquei um tanto nervoso, e de repente escureceu tudo e cai para frente como um tronco, com todo o meu peso e bati no queixo (eu tinha 18 anos de idade). Estava com os dentes fechados, a dor a partir desse episódio foi quase insuportável, não conseguia comer e abrir a boca, foi assim por mais o menos duas semanas, ai começou a ficar um formigamento na região articular e na musculatura, sensibilidade e isso meio que permanece ate hoje. Na anamnese o paciente relata vários traumatismos quando criança, mas nenhum especial para relembrar.

4 ERALDO      Oclusão habitual do paciente.4B ERALDO

Desgaste do sector incisivo superior e inferior.

5 PANORAMICAS ERALDO

Radiografia panorâmica do paciente antes do tratamento.

6 PANORAMICAS ERALDO

Assimetria das cabeças mandibulares.

7 LAMINO

Laminografia da ATM em oclusão habitual em fechamento e abertura, pode ser analisada a assimetria entre a cabeça mandibular direita e esquerda do paciente. Aplainamento superior de ambas as cabeças mandibulares e alteração do eixo de crescimento de ambos os côndilos mandibulares.

7A LAMINO

A imagem colorida destaca as diferencias estruturais entre os côndilos direito e esquerdo.

Deformação provocada por traumatismo na infância

1  Eixo normal de crescimento 2  Ponto da fratura 3  Eixo patológico de crescimento O site da clínica www.clinicamy.com.br conta com o link para o artigo: Alterações na Orientação do Côndilo Mandibular Devido a Traumatismos na Primeira Infância Caso clínico apresentado na edição número 4 do Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, de outubro/dezembro de 2001. 5B LAMINOGRAFIA O site da clínica www.clinicamy.com.br conta com o link para o artigo: Structural modifications of the mandibular condylar process as one of the sequels of traumatism in infancy Artigo publicado no Journal of Cranio-Maxillary Diseases, volume 3, issue 2,  julho/dezembro de 2014. 1 artigo Structural modifications of the mandibular condylar process as one of the sequels of traumatism in infancy.

8 CERVICAL

A coluna cervical do paciente mostra uma retificação e uma leve inversão da curvatura. A imagem me resultava similar a muitas em que o paciente relatava um traumatismo de chicote (whyplash) Questionei novamente o paciente perguntando se fora do traumatismo relatado na formatura em que tinha batido o mento, não se lembrava de  outro acidente. NO INICIO O PACIENTE NÃO LEMBROU. Mas na consulta seguinte fez o seguinte relato: Testemunho do paciente: Eu estava parado em um semáforo dirigindo o meu carro, quando outro veículo bateu atrás do automóvel em que eu estava. O GOLPE FOI TÃO FORTE que o banco reclinou totalmente para trás, sorte que havia encosto de cabeça no banco. Evidentemente a suspeita de whiplash foi confirmada.

9B FRONTAL

Na radiografia frontal do paciente é notória a assimetria da mandíbula, É SIMPLES DE ENTENDER SE PENSAMOS NA DIFERENÇA ESTRUTURAL DE AMBOS OS CÔNDILOS MANDIBULARES. É como pensar em um paciente com diferencia real de comprimento de pernas. Estas alterações estruturais provocam alterações morfofuncionais. Os músculos tem que se adaptar e encurtar tridimensionalmente para compensar o sistema.

10 LATERAL

Muitos estudos partem de um preconceito considerando que os côndilos estão em uma posição correta e que o paciente não apresenta nenhuma patologia nas articulações temporomandibulares. Estas alterações estruturais provocam alterações morfofuncionais. Os músculos tem que se adaptar e encurtar tridimensionalmente para compensar o sistema.

13

Neste exame cinesiográfico é registrada abertura e fechamento do paciente em vista sagital e frontal e o gráfico de velocidade. O paciente tem uma abertura de 40 mm, e frontalmente precisa fazer um desvio para o lado esquerdo para conseguir abrir a boca. A velocidade de abertura e fechamento é pobre, o paciente apresenta bradicinesia.

12

Neste registro eletromiográfico do paciente em oclusão habitual é gritante a diferença entre os temporais anteriores direito e esquerdo.

Existe quase 70 por cento de diferencia entre o temporal esquerdo e o direito em oclusão máxima habitual. O temporal anterior direito consegue gerar 105 microvoltios na faixa analisada já o temporal anterior esquerdo consegue gerar só 36 microvoltios, na mesma faixa.

14 RNM

RNM: Ressonância Nuclear Magnética do paciente. Corte selecionado. 1 corte sagital da ATM ESQUERDA em boca fechada antes do tratamento. Deslocamento redutivel  do disco articular 2 -A mesma imagem com realce de cores 3 -corte sagital da ATM ESQUERDA em boca aberta antes do tratamento. 4– A mesma imagem com realce de cores 15B RNM RNM: Ressonância Nuclear Magnética do paciente. Corte selecionado. Corte sagital da ATM DIREITA em boca fechada antes do tratamento. Disco articular em posição habitual Corte sagital da ATM DIREITA em boca aberta antes do tratamento. 16 mordida O paciente apresenta um espaço livre patológico de 9,4 mm e uma retrusão de 4,8 mm

17 ORTESE

Com os  dados obtidos após a desprogramação eletrônica mandibular e SEMPRE COM A INFORMAÇÃO OBTIDA NAS IMAGENS CONSTRUÍMOS o DIO (Dispositivo Intraoral) em posição neurofisiológica.

18 eletro dio

Registro eletromiográfico do paciente em oclusão neurofisiológica com o dispositivo em boca: os temporais anteriores direito e esquerdo estão equilibrados.

O registro inicial em oclusão habitual registrava quase 70 por cento de diferencia entre o temporal esquerdo e o direito em oclusão máxima habitual.

19 eletro comparativasRegistros eletromiográficos comparativos o superior em oclusão habitual e o inferior em oclusão neurofisiológica com o DIO (dispositivo intraoral) em boca. 21 cinecio comparativas e fotos

Esta imagem mostra uma sequencia do perfil do paciente conjuntamente com a sequência de registros cinesiográficos. Estes registros tem que ser relacionados com os registros eletromiográficos postados anteriormente. Todo fica correlacionado, descompressão articular, funcionamento dos músculos mastigatórios e a localização tridimensional da mandíbula. O DIO (dispositivo intraoral) é planejado não só pela desprogramação eletrônica, mas também pelas imagens e outros auxiliares do diagnóstico. É controlado, trocado e recalibrado como parte de um tratamento. O DIO deve ser mensurado eletromigráficamente. Logicamente a melhoria da sintomatologia do paciente deve acompanhar a melhoria dos registros.

22 frontal comparativas

Comparação das radiografias frontais a primeira em oclusão habitual e a segunda com o dispositivo intraoral em posição neurofisiológica. Melhora do alinhamento tridimensional da mandíbula, nos não podemos consertar as diferenças estruturais dos côndilos mandibulares, mas sim podemos equilibrar os músculos.

22A frontal comparativas dellinhadas

Comparação das radiografias frontais: traçado de cor na mandíbula para realçar  o alinhamento tridimensional da mandíbula em posição neurofisiológica.

23 FOTOS LATERAL comparativas

Perfil comparativo do paciente em oclusão habitual e em oclusão neurofisiológica com o Dispositivo Intraoral instalado. Melhora no posicionamento da cabeça.

24 foto LATERAL comparativas

Comparação das radiografias laterais e da coluna cervical, antes do tratamento e na finalização da primeira fase, correlação com as fotografias de perfil. Mesmo que a retificação da coluna cervical continua, tem uma melhora na leve inversão da curvatura observada na primeira radiografia.

25 RNM COMP 2

Corte sagital externo da ATM esquerda em boca fechada antes do tratamento mostrando o DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR  e a RECAPTURA DO DISCO ARTICULAR após o tratamento. Controle comparativo da segunda ressonância nuclear magnética após a segunda fase de tratamento. Serão postadas as imagens da ATM esquerda, que apresentava o deslocamento do disco articular. A ATM do lado direito não apresentava deslocamento, só as diferencias estruturais entre as duas cabeças mandibulares.

26 RNM COMP 3

Corte sagital externo da ATM esquerda em boca fechada antes do tratamento mostrando o DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR  e a RECAPTURA DO DISCO ARTICULAR após o tratamento.

27 RNM COMP 4

Corte sagital interno da ATM esquerda em boca fechada antes do tratamento mostrando o DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR e a RECAPTURA DO DISCO ARTICULAR após o tratamento.

28 RNM COMP 5

Corte sagital interno da ATM esquerda em boca fechada antes do tratamento mostrando o DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR e a RECAPTURA DO DISCO ARTICULAR após o tratamento.

32 depoimento

  Quando cheguei na Clínica My sofria muito, muita dor, enxaqueca, não conseguia mais abrir a boca direito, realmente estava precisando de tratamento, foi então que a Dra Lidia me propôs cuidar do meu problema.

Como estava com o disco todo deslocado e a articulação toda comprometida começamos de imediato, e a partir dai só melhorei, passaram as dores, passei a me alimentar melhor e tudo foi ficando melhor, Hoje posso dizer que estou super bem, me sinto normal, meu disco e todo o sistema está maravilhosamente bem. Sou muito grato a Dra Lidia Yavich, uma grande profissional que sabe o que faz. Um grande abraço.

33